Governo promete liberar recursos e base aliada se acalma

Depois de um dia de crise em sua base parlamentar, o governo conseguiu com afagos e promessas de liberação de emendas conter o clima de turbulência e acalmar as críticas de seus aliados. Depois de ouvir reclamações de todos os líderes durante jantar na residência oficial do presidente da Câmara, João Paulo Cunha (PT-SP), o governo, representado ali por cinco ministros, sinalizou com o atendimento de suas principais queixas. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva vai orientar seus ministros a darem mais atenção aos parlamentares e o governo vai agilizar a liberação de recursos do Orçamento para atender às emendas dos deputados. A liberação de emendas significa recursos para os municípios onde os parlamentares têm suas bases eleitorais. Muitos deputados são eleitos em uma relação de apoio mútuo entre prefeito e parlamentar.Hoje, o clima na base é de "calmaria" e de "trégua", segundo os próprios líderes que ontem consideravam que a situação já estava "deteriorada" ou "insustentável". O governo conseguiu que os líderes aliados saíssem do jantar, que durou cerca de cinco horas, com um discurso de unidade e com a disposição de defender o governo dos ataques da oposição, incluindo nessa estratégia a realização, a partir de agora, de discursos em plenário. Para dar mais coordenação, o governo também acertou a retomada de uma sistemática, que funcionou no ano passado, de reuniões semanais com os líderes para articular ações conjuntas. O discurso do ministro da Fazenda, Antonio Palocci, ajudou a pacificar a relação entre o Executivo e sua base. No jantar, Palocci disse que tinha a compreensão de que, assim como a estabilidade econômica, é importante a estabilidade política para que o País possa crescer e foi seguro ao afirmar que neste ano haverá mais investimentos do que em 2003. A falta de investimentos é outra grande crítica dos parlamentares. Hoje, as declarações dos líderes são de que o governo mostrou sensibilidade para os problemas dos parlamentares e que merece a confiança de sua base.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.