DIDA SAMPAIO/ESTADAO
DIDA SAMPAIO/ESTADAO

Governo prioriza Ministério da Defesa na liberação de emendas

De R$ 201,8 mi já reservados no Orçamento, 75% foram para pasta; Planalto nega motivação política na distribuição de verbas públicas

Felipe Frazão e Thiago Faria, O Estado de S. Paulo

28 de maio de 2019 | 05h00

O presidente Jair Bolsonaro priorizou nos primeiros meses de governo a liberação de emendas parlamentares enviadas a programas do Ministério da Defesa. Dos R$ 201,8 milhões empenhados até a semana passada no Orçamento de 2019, 75% do valor (R$ 151,4 milhões) foram para a pasta. Quase a totalidade (98%) foi destinada ao programa Calha Norte, criado na década de 1980 diante de uma preocupação dos militares com a região amazônica.

As emendas parlamentares são indicações feitas por deputados e senadores de como o governo deve gastar parte dos recursos previstos no Orçamento. Os parlamentares costumam privilegiar seus redutos eleitorais. Incluem desde dinheiro para obras de infraestrutura, como a construção de uma ponte, até valores destinados a programas de saúde e educação. O empenho é o primeiro estágio para o pagamento, uma espécie de reserva do valor no orçamento.

Embora impositivas – o governo é obrigado a pagá-las –, a prioridade a algumas emendas é fruto de negociação política. Na gestão Bolsonaro, cabe à Secretaria de Governo, comandada pelo general Carlos Alberto dos Santos Cruz, negociar a liberação com os parlamentares.

Ao todo, R$ 9,2 bilhões foram reservados no Orçamento para emendas individuais apresentadas por deputados e senadores. Dos 594 parlamentares que fizeram as indicações no ano passado, apenas 71 tiveram algum valor empenhado até agora. Entre eles, nomes do DEM, do PP, do MDB e até do PT, que faz oposição a Bolsonaro.

Técnicos do governo dizem que não há motivação política nos empenhos feitos neste ano, mas uma razão prática: a maior capacidade operacional do Ministério da Defesa. 

A justificativa é de que parte dos projetos é de execução direta da própria pasta, o que facilita o trâmite para torná-la uma das primeiras a receber os repasses. O Calha Norte, por exemplo, costuma ter a maior parte dos seus recursos empenhada ainda no primeiro semestre. 

Em anos anteriores, porém, outros ministérios já tinham mais recursos liberados a esta altura do ano. Só a Saúde, por exemplo, havia empenhado R$ 3,4 bilhões em emendas parlamentares individuais até maio de 2018. Neste ano, ainda não houve reserva de valores autorizada para a pasta comandada pelo ex-deputado Luiz Henrique Mandetta.

A cobrança dos parlamentares pelo pagamento de emendas tem sido um dos pontos de atrito na relação do Congresso com Bolsonaro. No mês passado, deputados e senadores aprovaram, a toque de caixa, uma proposta de emenda à Constituição (PEC) que torna obrigatório o repasse de um valor maior via emendas coletivas – que são apresentadas pelas bancadas estaduais. Apesar de ainda precisar passar por nova votação na Câmara, a aprovação da PEC foi considerada uma derrota para o governo, pois reduz a margem do Executivo para remanejar gastos. 

Calha Norte foi idealizado no início do governo José Sarney

Maior destino de recursos empenhados via emendas até agora, o Calha Norte foi idealizado no início do governo José Sarney (PMDB), em 1985. A ideia era promover uma ocupação na região amazônica, civil e militar, para garantir a soberania nacional.

Como o Estado revelou, militares que ocupam cargos no governo ecoam a mesma preocupação com a região e acompanham a presença de organismos internacionais e até os planos da Igreja Católica para a Amazônia.

O Calha Norte destina recursos do Tesouro para os pelotões de fronteira do Exército espalhados em quase 14 mil quilômetros, e verbas de emendas a cidades para aplicação em infraestrutura básica, como pavimentação de ruas e construção de escolas. O maior interesse de senadores e deputados é justamente na destinação mais rápida desse dinheiro.

Ao todo, são atendidos 379 municípios em oito Estados: Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. A intenção do governo Bolsonaro é expandir o programa. 

O crescimento atende a pressões políticas, pois há o interesse de parlamentares em usar o programa para repassar recursos via emendas para prefeituras.

“O parlamentar precisa do prefeito, então é importante que o prefeito ganhe a eleição. O prefeito precisa do parlamentar, que é quem coloca a emenda. Existe um conchavo, uma afinidade grande nessa área política, um quer ajudar o outro”, afirma o brigadeiro do ar da reserva da Aeronáutica Roberto de Medeiros Dantas, diretor do Calha Norte.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.