Governo prioriza as necessidades da população, diz Lula

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse hoje, na inauguração da primeira de seis unidades da Farmácia Popular do Brasil que serão instaladas na capital baiana, que os critérios que nortearam o governo na escolha dos locais foi o comprometimento dos prefeitos com o projeto. "Precisamos atender a população o mais rapidamente possível, independentemente do partido", afirmou, referindo-se ao fato de que o prefeito da capital baiana, Antônio Imbassahy, é do PFL. "O que estamos fazendo é de acordo com os interesses da população. O que importa são as necessidades do povo, e não o partido que governa". Tanto no discurso de Lula quanto no do ministro da Saúde, Humberto Costa, durante a solenidade, quando foram citados os nomes de Imbassahy e do governador da Bahia, Paulo Souto, houve vaias da platéia, formada basicamente por petistas, no palanque armado ao lado de fora das Obras Sociais Irmã Dulce. Na solenidade, realizada sob uma forte chuva, o presidente disse, ainda, que remédio deixará de ser artigo de luxo, e citou o caso de uma senhora e de um senhor que compraram remédio para hipertensão, cujo preço normal é de R$ 7,70, pagando apenas R$ 1,50. Ao término de seu discurso, Lula fez questão de descer do palanque e ir até uma grade onde havia manifestantes petistas ao lado do candidato do PT à prefeitura de Salvador, deputado Nelson Pellegrino, ex-líder do PT na Câmara. O presidente fez questão, também, de dar um forte abraço no líder do MST, José Rainha Júnior, que se encontrava na platéia. Do hospital, o presidente se deslocou para o Fiesta Bahia Hotel, onde tem almoço reservado com líderes petistas locais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.