Ed Ferreira/Estadão
Ed Ferreira/Estadão

'Governo precisa entender Previdência para depois falar de reforma', diz Paulinho da Força

Deputado federal do Solidariedade considera as declarações de Henrique Meirelles sobre necessidades do setor como 'um estresse logo de cara'

Gustavo Porto e Carla Araújo, O Estado de S.Paulo

16 de maio de 2016 | 15h54

Brasília - O presidente da Força Sindical, deputado federal Paulinho da Força (SD-SP), avaliou na tarde desta segunda-feira, 16, antes da reunião de centrais sindicais com o presidente em exercício Michel Temer (PMDB), que o novo governo "precisa entender primeiro a Previdência para depois falar de reforma" no setor. Para ele, declarações como a do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, da necessidade de uma reforma do setor, foram "um estresse logo de cara" no governo Temer.

"Não concordamos de fazer reforma sem discutir, negociar. Há uma série de coisas para serem feitas na Previdência antes da reforma, como acabar com desonerações", disse Paulinho antes de entrar no Palácio do Planalto. Um dos pontos inegociáveis para ele é a mudança na idade mínima de aposentadoria. "Como vamos aceitar discutir hoje idade mínima que penaliza os mais pobres e que começam a trabalhar primeiro?", indagou.

Paulinho avalia que a desoneração tributária sobre a folha de pagamento foi um erro do governo da presidente afastada Dilma Rousseff (PT), pois a redução deu benefícios para empresas em cima da Previdência, segundo ele. "Precisa fazer as empresas pagarem os 5% da Previdência em vez de 1% na folha. Há outros caminhos como aprovar (liberar) os jogos no Brasil e passar os impostos para a Previdência", sugeriu. "Temos que constatar que o governo do PT meteu o País na maior crise da história e é uma crise do Brasil e não dos trabalhadores."

Como outras lideranças sindicais, Paulinho avaliou que a ausência da Central Única dos Trabalhadores (CUT) no encontro desta segunda-feira, 16, era esperada por conta da ligação da entidade com o PT. "Eles estavam em uma posição contrária até semana passada. Espero que no futuro estejam conosco", concluiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.