Governo pode desistir de emenda da Saúde pela CPMF

Numa conversa reservada, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva autorizou os líderes do governo na Câmara e no Senado a retirarem de pauta a regulamentação da Emenda 29, que destina mais recursos para a Saúde. O governo que usar esse projeto para negociar com a oposição a votação da prorrogação da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), segundo os líderes que estiveram reunidos com o presidente. Os senadores aprovaram o projeto da Emenda 29 hoje na Comissão de Assuntos Sociais e já estava incluído na ordem do dia. O líder do PMDB, Valdir Raupp, contou que o ministro da Saúde, José Gomes Temporão, apresentou durante a reunião um plano de ações e afirmou que está sendo pressionado pelos governadores pela falta de recursos para a Saúde. Temporão disse, segundo o líder, que não pode abrir mão dos recursos da CPMF. Segundo o ministro, é notória a falta de investimento em Saúde e pediu para ampliar os recursos da área. Uma das propostas em discussão é aumentar gradativamente de 0,20% para 0,25% o porcentual de receita da CPMF que é destinada à Saúde. Outra alternativa em debate é o remanejamento de recursos da Desvinculação de Receitas da União (DRU).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.