Governo pode abrir mão de 2 milhões de processos

Em convênio com STF, União se compromete a não recorrer contra decisões já reiteradas dos tribunais

Mariângela Gallucci, BRASÍLIA, O Estadao de S.Paulo

10 de junho de 2009 | 00h00

Responsável por parte do "afogamento" do Judiciário, o poder público poderá desistir de aproximadamente 2 milhões de ações envolvendo temas já decididos pela Justiça que são relacionados a servidores públicos, correções de planos econômicos e questões afetas à Previdência Social. A informação é do advogado-geral da União, José Antonio Dias Toffoli.Ontem, Toffoli assinou um convênio com o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Gilmar Mendes, que prevê a identificação das ações judiciais sobre assuntos já decididos pelo Judiciário.A essas ações deverão ser aplicadas súmulas administrativas da AGU e dos tribunais que permitirão ao órgão desistir dos processos envolvendo causas onde já se sabe que a União perderá. Ou seja, a União se compromete a não recorrer contra decisões já reiteradas pela jurisprudência dos tribunais.Pelos cálculos de Toffoli, essas súmulas poderão ser aplicadas a cerca de 2 milhões de ações. Para o CNJ, a medida evitará a judicialização recorrente, impedindo que casos já julgados e com jurisprudência fixada de forma reiterada sejam novamente levados ao Judiciário.Na opinião dos integrantes do Conselho Nacional de Justiça isso poderá reduzir o volume de processos que tramitam nas instâncias do Judiciário. Outra consequência, avaliam conselheiros do CNJ, é que o Judiciário poderá se concentrar no julgamento das causas ainda não decididas. Isso deverá tornar mais ágeis os outros julgamentos. Gilmar Mendes lançou recentemente um desafio para o Judiciário, que é julgar neste ano todos os processos distribuídos até 31 de dezembro de 2005.MUTIRÃO CARCERÁRIOOs titulares do CNJ e a AGU assinaram um outro acordo que prevê a participação dos advogados públicos nos mutirões carcerários realizados pelo conselho em penitenciárias de vários Estados brasileiros.Nesses mutirões, grande parcela dos presos acabam obtendo benefícios que vão desde a progressão para um regime mais brando de cumprimento de pena até a soltura.De acordo com informações do CNJ, a AGU vai incentivar os advogados públicos a trabalhar como voluntários nos mutirões.Para José Dias Toffoli, os mutirões carcerários são "uma verdadeira política de direitos humanos, no sentido de verificar todas as pessoas que estão presas injustamente".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.