Governo pedirá à PF dados do rastreamento de telefones

O Palácio do Planalto decidiu requisitar os dados obtidos pela Polícia Federal a partir do rastreamento de telefones na investigação do dossiê contra tucanos. Causou forte impressão ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a outros membros do governo a descoberta de que, nos meses de agosto e setembro passados, foram disparadas 380 mil ligações de 100 aparelhos que servem à Presidência.Algumas dessas ligações, conforme apurou a PF, foram feitas para petistas envolvidos no escândalo do dossiê. Mas uma grande quantidade de telefonemas teve como destino diretórios do PT de todo o País, indicando o uso maciço de equipamento do Estado para fins estranhos ao interesse público. Uma fonte do Planalto revelou que se o desvio ficar comprovado haverá conseqüências e cabeças vão rolar.Conforme essa fonte, o governo usará o episódio para desencadear um amplo processo de desmonte do aparelhamento da máquina pública, promovido no Palácio do Planalto no tempo em que José Dirceu era ministro chefe da Casa Civil. Uma hipótese considerada é usar os dados da PF para abrir um processo na Comissão de Ética Pública, a fim de verificar se houve abuso e identificar os responsáveis.O rastreamento foi feito com autorização judicial. Ficaram de fora apenas os telefones que servem ao presidente Lula, que só pode ser investigado com autorização do Supremo Tribunal Federal (STF). Mas algumas linhas alcançadas pela investigação são utilizadas por assessores diretos de Lula, entre eles o chefe do gabinete da Presidência, Gilberto Carvalho.Várias ligações foram para petistas envolvidos no escândalo da compra do dossiê, entre os quais o ex-chefe do serviço de inteligência da campanha de Lula, a chamada Abin do PT, Jorge Lorenzetti.Durante a investigação foram processadas 1,6 milhão de transações financeiras, a partir do cruzamento de 43,7 mil contas. No total, foram processados 66,2 mil dados. E foram rastreadas 2,8 milhões de chamadas telefônicas de 56 mil aparelhos, incluindo aí os 100 do Planalto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.