Governo paulista responde às declarações de Marina sobre Segurança Pública no Estado

Candidata do PV disse que é necessário 'fazer uma reforma na segurança pública que está há mais de 20 anos no mesmo governo'

estadão.com.br,

04 de agosto de 2010 | 17h18

Depois de a candidata à Presidência da República Marina Silva (PV) criticar o governo tucano em São Paulo, sobre os recentes atentados contra a Rota (Rota Ostensiva Tobias Aguiar) na capital paulista, neste último fim de semana, a Secretaria de Comunicação do Governo de São Paulo emitiu nota na qual refuta as declarações da senadora. Segundo Marina Silva é necessário "fazer uma reforma na segurança pública que está há mais de 20 anos no mesmo governo".

 

Leia abaixo a íntegra do texto:

 

"NOTA DE ESCLARECIMENTO

 

Ao contrário do que afirmou a candidata Marina Silva (PV), a política de segurança pública em São Paulo é de firmeza contra o crime. Desde 1999, os homicídios dolosos foram reduzidos 70%, tendo alcançado no último mês de junho a menor taxa da série histórica, 8,84 casos por 100 mil habitantes no Estado. A taxa média de homicídios em São Paulo é menos da metade da brasileira e é 60% menor que a do Acre, por exemplo, que viu os homicídios crescerem 15% nos últimos três anos e mais de duas vezes entre 1999 e 2007.

 

Os resultados obtidos se devem ao trabalho dos governos paulistas na segurança pública, enfrentando o crime com determinação, planejamento, reaparelhamento das polícias com novas armas, helicópteros e viaturas e o maior investimento do Brasil em serviços de inteligência e a promoção de melhores condições de trabalho aos policiais. O salário médio de um delegado de polícia em São Paulo é de R$ 8 mil. Na Polícia Militar, o salário médio dos soldados é de R$ 2,3 mil, dos sargentos é de R$ 3,8 mil, dos tenentes R$ 6,6 mil e dos coronéis R$ 14 mil.

 

Eduardo Pugnali

Secretaria de Comunicação do Governo de São Paulo"

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.