Governo paulista compra móveis feitos por detentos

O Companhia do Metrô paulista também passará a usar em suas unidades, como já ocorre nas seis mil escolas da rede estadual de ensino, móveis fabricados por detentos do sistema penitenciário. Numa primeira etapa, foram gastos cerca de R$ 160 mil na compra de móveis para escritório, um lote de 600 peças entre mesas, cadeiras e armários.O governador Geraldo Alckmin visitou hoje a exposição de móveis realizada na estação República de Metrô. A compra foi feita por intermédio da Fundação Professor Doutor Manoel Pedro Pimentel (Funap), responsável pela reintegração do preso por meio de trabalho, cultura e educação.Os móveis foram comprados com uma economia de 30%, segundo informou o governador. Alckmin disse ainda que a iniciativa é fundamental para reinserir o preso à sociedade. "Temos visto um belíssimo trabalho. O governo faz economia e os presos trabalham. Com isso eles se ajudam na própria recuperação e se qualificam amanhã para ter uma profissão, saem com condições de competir no mercado de trabalho", disse. O design dos móveis é da Fundação do Desenvolvimento Educacional (FDE).Hoje, no Estado, a população carcerária é de 98 mil pessoas, sendo que 66 mil condenados. Deste grupo, 37 mil já estão trabalhando. "Isso significa mais de 50% dos presos. E todas as novas penitenciárias terão oficinas. Nós vamos rapidamente aumentar o número de presos trabalhando. Para cada três dias de trabalho, tem redução de um dia de pena", disse Alckmin.Ele lembra também que nas 11 novas penitenciárias, que serão entregues a partir de 2002, após a desativação do Complexo do Carandiru, os detentos passarão a cozinhar a própria refeição. "Também estamos investindo na construção e implantação de cozinhas nas penitenciárias. Os presos vão produzir a própria alimentação, o que vai representar uma economia de R$ 8 milhões para o Governo", disse Alckmin."Mas isso vai aumentar. Vamos orientar todas as secretarias de Estado, empresas e fundações do Governo a comprarem da Funap, porque nós estamos economizando 30% na compra de móveis muito bem feitos, com design muito bonito e proporcionando trabalho aos presos", afirmou.Segundo a diretora-executiva da Funap, Berenice Gianella, os móveis fabricados pelos presos podem ser adquiridos por qualquer pessoa interessada, não apenas pelo governo paulista. Na sede da Funap - na rua Doutor Vila Nova, 268 - há uma loja que vende todos os produtos confeccionados pelos presos. "A vantagem para o Estado é que a compra é sem licitação, mais rápida e o produto mais barato", explicou Berenice.Depois de deixar a exposição, o governador Alckmin foi fazer uma visita à secretária de Educação, Rose Neubauer, na Secretaria, localizada na Praça da República.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.