Governo oferecerá desonerações em troca da CPMF

Segundo fontes, em reunião com ministros, Lula avaliou que precisa atender a reivindicações do PSDB e DEM

Leonencio Nossa, da Agência Estado,

22 de outubro de 2007 | 16h13

Diante da dificuldade em prorrogar a CPMF até 2011, o Palácio do Planalto vai oferecer à oposição uma série de medidas de desoneração tributária, segundo fontes do governo. Em reunião com ministros da coordenação política na manhã desta segunda-feira, 22, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva avaliou que o governo só aprovará até o final do ano a proposta de emenda constitucional da CPMF, no Senado, se apresentar medidas provisórias e projetos de lei que atendam a parte das reivindicações de representantes de partidos como PSDB e DEM. As áreas que serão desoneradas ainda não foram definidas.   A redução da alíquota da CPMF por meio de um projeto de lei ou medida provisória é a proposta mais avançada nas negociações entre governo e oposição para prorrogar o tributo até 2011, segundo informou um ministro. O governo sinalizou que, após a aprovação no Senado da emenda constitucional que prorroga a vigência da CPMF, começará a negociar um porcentual de redução da alíquota, hoje em 0,38%.       Veja também:    Aprovação da CPMF é questão estratégica para o País, diz Dilma Entenda o 'imposto do imposto' e veja gráfico    Segundo uma fonte do Planalto, a expectativa do governo é que a CPMF seja aprovada até o final deste ano. O Planalto, porém, avalia que vai precisar de muitos projetos de lei e medidas provisórias para "acalmar" a oposição.   Como ressaltou em entrevistas durante viagem à África na semana passada, Lula deixou claro que não pretende mudar o texto da PEC da CPMF aprovada na Câmara. As medidas de desonerações não serão incluídas no projeto de emenda constitucional (PEC).   Na semana passada, o ministro das Relações Institucionais, Walfrido dos Mares Guia, também presente à reunião desta segunda-feira, falou em desoneração da folha de pagamento. Também está sendo considerada pelo governo a redução futura da alíquota da CPMF e a isenção da cobrança para determinadas faixas salariais. Durante o encontro desta manhã, o vice-presidente José Alencar fez um relato da conversa que teve na semana passada com vários senadores, em visita ao Senado. Alencar disse a Lula e a ministros, na reunião, que o clima no Senado após a queda de Renan Calheiros (PMDB-AL) está mais favorável à aprovação de propostas de interesse do governo.   Também na reunião Lula disse que irá receber os "cem maiores" empresários do País na próxima quarta-feira para discutir o PAC e outras iniciativas para o crescimento econômico. Nesta terça-feira, Lula retoma a discussão sobre a CPMF em reunião com os ministros Guido Mantega (Fazenda) e Dilma Rousseff (Casa Civil).   Além de Lula, Alencar e Mares Guia, participaram do encontro os ministros Luiz Dulci (Secretaria Geral), Franklin Martins (Secretaria de Comunicação Social) e Paulo Bernardo (Planejamento).   Com Reuters   Texto ampliado às 20h45

Tudo o que sabemos sobre:
CPMF

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.