DIDA SAMPAIO/ESTADÃO
DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

Governo negocia com líderes permanência de Imbassahy até dezembro

Maiores partidos do Centrão pressionam Temer a tirar o tucano da Secretaria de Governo

Igor Gadelha, O Estado de S.Paulo

21 Novembro 2017 | 15h01

BRASÍLIA - O líder do governo no Congresso Nacional, deputado André Moura (PSC-SE), começou nesta terça-feira, 21, a consultar líderes de partidos da base aliada para saber se concordam com a permanência do ministro Antonio Imbassahy (PSDB-BA) na Secretaria de Governo até dezembro. A consulta está sendo feita pelo parlamentar a pedido do Palácio do Planalto. 

+++ 'Não há divergências no nosso Ministério', diz Temer

O PMDB e os maiores partidos do Centrão, entre eles PP, PSD e PR, pressionam o presidente Michel Temer a trocar Imbassahy. A reclamação é de que um tucano não pode continuar na articulação política do governo, diante das ameaças do PSDB de desembarcar do governo e após a maioria dos deputados da sigla votar pela aceitação da segunda denúncia contra o presidente na Câmara. 

+++ Temer tenta realocar Imbassahy para Ministério da Transparência

Temer, porém, resiste a tirar Imbassahy, de quem se tornou amigo pessoal. Segundo fontes envolvidas nas negociações da reforma ministerial, o próprio ministro pediu para permanecer no cargo pelo menos até 9 de dezembro, quando ocorre a convenção nacional do PSDB. Na ocasião, o partido deve decidir se desembarca ou não oficialmente do governo Temer. 

+++ Reforma da Previdência não será aprovada neste ano, diz deputado

O PMDB quer emplacar um nome ligado ao partido para substituir Imbassahy no ministério. A bancada do partido na Câmara, por exemplo, sugeriu a Temer os nomes dos deputados Carlos Marun (MS), Saraiva Felipe (MG) e Mauro Lopes (MG). Já o ministro Moreira Franco (Secretaria-Geral da Presidência), que é do PMDB, defende o nome do ex-deputado João Henrique Sousa (PMDB-PI), atual presidente do Conselho do SESI.

Temer decidiu fazer uma minirreforma ministerial após o deputado Bruno Araújo (PSDB-PE) pedir demissão do Ministério das Cidades. O substituto dele será o deputado Alexandre Baldy (sem partido-GO), cuja indicação tem aval do PMDB e de partidos do Centrão, além do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). O PSDB, porém, ainda comanda três pastas: além da Secretaria de Governo, Relações Exteriores (Aloysio Nunes) e Direitos Humanos (Luislinda Valois).

O presidente espera que, com a reforma ministerial, o ambiente político melhore para aprovação da reforma da Previdência na Câmara. Além disso, Temer também deu aval para o enxugamento da reforma que será votado diretamente no plenário da Câmara. A proposta deve ficar restrita à fixação de idade mínima para aposentadoria, com uma regra de transição de 30 anos, e a unificação dos regimes de Previdência do setor público e iniciativa privada. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.