Governo não teme traficantes

Contratações ajudam a ganhar simpatia da população

O Estadao de S.Paulo

01 de dezembro de 2007 | 00h00

O governo de Sérgio Cabral (PMDB) não teme que traficantes impeçam as obras de urbanização em favelas do Rio financiadas pelo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Nas cinco áreas escolhidas serão injetados R$ 1 bilhão em três anos, ou R$ 10 milhões por mês. Do total, 30% vão para salários de mão-de-obra local - o número de empregos diretos e indiretos pode chegar a 10 mil. Segundo o vice-governador e secretário de Obras, Luiz Fernando Pezão, a estratégia passa pela contratação de mão-de-obra local - os editais de licitação estabelecem que 90% sejam das favelas - e pela prioridade à construção de equipamentos capazes de gerar serviços sociais rapidamente, como postos de saúde e creches . O secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, também acredita nesse caminho, mas disse ao Estado que um planejamento de segurança está pronto, no caso de reação dos traficantes.Em apenas três dias, 815 pessoas se inscreveram para as 300 vagas da obra do Cantagalo, iniciada ontem. "Nenhum traficante vai impedir esse tipo de obra", diz José Júnior, da ONG AfroReggae.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.