Marcos Tomé - Região News/AE
Marcos Tomé - Região News/AE

'Governo não quer briga entre indígenas e produtores', diz ministro da Justiça

José Eduardo Cardozo defendeu também a manutenção da Força Nacinal para 'garantir a paz'

Lucia Morel, especial de O Estado de S. Paulo

05 Junho 2013 | 15h57

CAMPO GRANDE - O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo defendeu o diálogo com as lideranças indígenas. "O que tem que ser feito é a busca do diálogo. O governo federal quer evitar a judicialização deste processo de reconhecimento de terras. Quer evitar a briga entre produtores e indígenas", disse. Salientou que "o governo quer fixar normas, aperfeiçoar os procedimentos , e não tirar o papel da Funai".

Ele recebeu dois documentos na reunião que manteve com indígenas e membros do MST. Um documento sobre reforma agrária e outro sobre a demarcação de terras indígenas. Segundo ele, os índios citaram no encontro a PEC 215, que transfere para o governo a questão das demarcações.

"O Ministério da Justiça sempre foi contrário a isto, porque afronta a Constituição Federal. Essa função de regular demarcação, é função administrativa", afirmou.

Ainda sem saber que a reintegração de posse havia sido suspensa pela Justiça Federal, ele disse que isto poderia ocorrer. Mas, que independente disto será mantida a Força Nacional.

"A Força Nacional não veio cumprir uma ordem de reintegração de posse. Veio para atuar em parceria com a Secretaria de Justiça e Segurança Pública do Mato Grosso do Sul, para evitar conflitos. Veio para garantir a paz", disse o ministro.

O índio Josiel Gabriel que levou um tiro na 7ª vértebra da coluna, tem o seu estado definido como delicado, mas está fora de perigo de morte. Ele vai sofrer um exame para saber qual o tipo de munição que o atingiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.