ED FERREIRA/ESTADAO
ED FERREIRA/ESTADAO

'Governo não parou e nem vai parar', diz Jucá sobre lista de Fachin

O líder do governo e presidente nacional do PMDB negou que que discurso seria adotado pelo governo para tirar foco dos investigados

Carla Araújo, Adriana Fernandes e Vera Rosa, O Estado de S.Paulo

12 de abril de 2017 | 12h30

BRASÍLIA - O líder do governo e presidente nacional do PMDB, Romero Jucá (RR), afirmou nesta quarta-feira, após participar de cerimônia no Palácio do Planalto, que o governo “não parou e nem vai parar” por conta da lista do ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato, que pede abertura de inquéritos contra a cúpula do governo. Segundo Jucá, o presidente Michel Temer recebeu a notícia das delações da Odebrecht com tranquilidade. “Era natural”, afirmou, dizendo que “todo mundo que disputou a eleição está ou estará na lista”.

“O presidente está cobrando da equipe econômica os trabalhos de que as reformas sejam feitas rapidamente. Sejam debatidas com a base. O trabalho vai continuar no mesmo ritmo, nós não vamos ficar paralisados. O governo continua trabalhando normalmente.”

Ao ser questionado se esse era o discurso que seria adotado pelo governo para tentar tirar o foco dos investigados, Jucá disse que ninguém no governo vai se esconder. “Nós não vamos nos esconder, nós não devemos nada, nós vamos trabalhar, nós vamos cumprir o nosso papel. EU quero que tudo seja apurado rapidamente”, afirmou.

Jucá, que ao lado do presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves (MG), tem o maior número de inquéritos, cinco cada, disse que está “a disposição” e ainda que criou-se uma “calúnia coletiva”. “O que está em xeque, o que está em discussão, o que está sendo passado a limpo, é o modelo politico”, disse afirmando que o partido “vai responder com toda tranquilidade” as investigações.

Segundo Jucá, o modelo era contatar empresas e pedir doações, sem saber a origem dos recursos, e que elas doavam “movidas por diversos interesses”, tudo dentro da legislação vigente. “Você não ia falar com a empresa e perguntar se o dinheiro era do lucro liquido legal da empresa ou é do lucro em cima de uma obra superfaturada? Alguém perguntou isso a uma empresa na história politica do Brasil? Não.”    O senador, que deixou o ministério do Planejamento após ser acusado de tentar barra a Lava Jato, disse ainda que operação “mudou o paradigma da política positivamente”. “Eu defendo a Lava Jato. Tenho certeza a Lava Jato mudou o paradigma da politica no Brasil positivamente, porque vínhamos em campanhas políticas numa escalada de gastos que era algo que não tinha fim”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.