Governo não incentivará debate sobre sucessão, diz Gushiken

O governo federal não vai incentivar o debate sobre a sucessão presidencial em 2006, mas nem por isso vai deixar de responder às críticas da oposição. O ministro da Secretaria de Comunicação e Gestão Estratégica, Luiz Gushiken, disse hoje durante café da manhã com jornalistas que para o governo é impossível incentivar o debate ou pautar o governo em função da sucessão presidencial, "mas responder (às críticas) não atrapalha o governo". "Se outros partidos querem (incentivar o debate sucessório), o problema é deles". Para o governo, estimular o debate tornaria impossível governar o País, afirma.Ele defende mudanças na estrutura política brasileira, mas acredita que a instância adequada para discutir o tema é o Congresso Nacional. Na opinião do ministro, a reforma política é importante para o Brasil, mas ela é prerrogativa dos parlamentares. "Essa discussão tem que ser feita na Casa correta, que é a Câmara do Deputados e o Senado Federal", disse. O ministro admitiu que é legítimo rediscutir o mandato de quatro anos para o presidente da República. O presidente do Senado, José Sarney (PMDB) defendeu aumentar o mandato para seis anos. "Podemos discutir mudanças que eventualmente possam contribuir para que você tenha no Brasil tempos mais dilatados para administrar. A cada dois anos a sociedade discutir eleição, talvez não seja tão produtivo assim. Mas insisto, esse é um debate que deve ser feito no Congresso". A transparência nas discussões, segundo Gushiken, continuará como marca do governo Lula em 2005. Gushiken disse que, em 2005, o governo vai centrar esforços no que ele chamou de idéia-síntese: crescimento e emprego com distribuição de renda e democracia com inclusão social. O conceito a direcionar as ações dogoverno, informa, será o da governabilidade social e não apenas da governabilidade institucional. Este novo conceito, explica, inclui todos os movimentos sociais organizados. Gushiken avalia que o envolvimento dasforças políticas representadas no atual governo com esses movimentos não é "um dado secundário". "Nenhum governo tem tanto relacionamento com os movimentos sociais como o nosso".Educação e SaúdeO governo federal vai se concentrar nos setores de Educação e Saúde em 2005, disse hoje o ministro. "Essas áreas vão merecer atenção do presidente Lula com uma lupa", salientou. Gushiken citou como exemplo do interesse do presidente sobre essas áreas, em 2005 e 2006, a recomendação de Lula ao ministro da Saúde, Humberto Costa, durante a reunião ministerial deste mês, para criar um controle dos recursos do ministério "que se espalhe para baixo". "O ministro Humberto Costa tem de pensar num sistema de fiscalização e orientação do uso dos recursos", explicou ministro Gushiken.Na área da Segurança Pública, o ministro acredita que o maior desafio do governo é sensibilizar governadores e prefeitos para a necessidade de fazer as parcerias para o combate à violência. As parcerias, afirma,dependem de uma delicada negociação política para que Estados e municípios aceitem ajuda federal. "Vamos insistir na oferta da parceria (este ano) e acho que em algum momento ela vai ser aceita", apostou. O ministro conta como uma importante realização na área de segurança a formação da Força Federal de Segurança Pública, que já integra mil soldados. Mas só a parceria poderá garantir a integração dos programas de combate à violência, sustenta.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.