Governo não 'abandonará' plebiscito, diz Gilberto Carvalho

Para o chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República, proposta foi 'acertadíssima'

Rafael Moraes Moura , Agência Estado

09 de julho de 2013 | 18h44

Apesar de o Congresso descartar qualquer possibilidade de um plebiscito sobre reforma política ter validade para as eleições de 2014, o chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, disse nesta terça-feira, 9, que o governo Dilma Rousseff não "abandonará" o objetivo de adotar uma mudança por meio dessa forma de consulta popular. De acordo com Carvalho, foi "acertadíssimo" lançar a proposta do plebiscito e o governo agora deverá refletir sobre como agir.

Mais cedo, o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), descartou qualquer possibilidade de um plebiscito sobre a reforma política validade para as próximas eleições. "Devemos ter calma e refletir aqui dentro do governo, a sociedade está com essa bandeira (da reforma), eu tenho certeza, e nós vamos então verificar agora com calma como a gente vai agir daqui pra frente. Mas não vamos abandonar de maneira nenhuma a ideia da consulta, a ideia da participação e a ideia da reforma política, são eixos que se estruturam, a nosso ver, numa perspectiva de mudar de fato aquilo que o povo quer que se mude, que é a nossa cultura política no País", disse, antes de participar de um seminário no Palácio do Planalto.

"Não consigo imaginar um combate adequado à corrupção sem uma reforma política. O povo quer uma mudança política de profundidade, a presidenta acertou em cheio quando lançou essa proposta porque ela corresponde exatamente ao anseio mais profundo das ruas, que é o anseio por uma renovação na política. Renovação na política sem reforma política nós não vamos fazer", afirmou. "É um debate, importante no Congresso e na sociedade, eu acho que a gente nunca deveria subestimar a importância da consulta popular. O governo tem feito empenho para criar estrutura de participação no País, que é o que o povo na rua gritou e pediu", destacou.

Questionado se não havia sido um erro insistir num plebiscito válido para 2014 após líderes da base aliada falarem que era inviável, Carvalho respondeu: "Não considero um erro, quando você acredita em alguma coisa, tem de ir até o limite. O Congresso, de alguma forma, vai sentir e sente o que está acontecendo nas ruas, tanto quanto nós sentimos. Nós tivemos essa reação, fizemos uma proposta de saída que, a nosso ver, era a proposta e é a proposta mais adequada, agora, vamos ver que passo nós podemos dar".

Segundo o chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República, há outras possibilidades que precisam ser discutidas com a sociedade. "Prefiro não adiantá-las, vamos com calma reagir sem nenhuma reação intempestiva, mas nós seguiremos dialogando com a sociedade na busca dessa perspectiva. O governo abriu os ouvidos para as ruas, teve e tem sensibilidade e nós vamos seguir fiéis àquilo que nós ouvimos, que entendemos ser expresso pela sociedade. Precisamos mudar a lógica da política", afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:
DilmaplebiscitoCarvalho

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.