Governo Lula entrega 52 ambulâncias a Marta Suplicy

A menos de dez dias do início oficial do período eleitoral e sob suspeita de favorecimento à prefeita Marta Suplicy (PT), candidata à reeleição, o ministro da Saúde, Humberto Costa, lançou hoje em São Paulo um programa nacional de distribuição de ambulâncias. A capital recebeu 52 veículos e a promessa é entregar outros 1.480 em todo o País até o fim do ano. Porém, até hoje, o ministério não sabia informar quais os próximos municípios beneficiados.Essa não é a primeira vez que o governo federal é acusado de privilegiar a prefeitura petista em ano eleitoral. No início deste mês, a capital paulista recebeu 10 de um total de 17 farmácias populares inauguradas no país. O Rio ficou com apenas uma unidade. Nesses locais, medicamentos são vendidos até 85% mais baratos do que em farmácias comuns.O ministro da Saúde negou qualquer tipo de privilégio à Prefeitura de São Paulo e disse que nos próximos 15 dias mais 200 ambulâncias serão distribuídas a cerca de 20 prefeituras. ?Vamos atender cidades de todos os partidos. O critério é ter o projeto aprovado pelo ministério?, afirmou Costa. ?São Paulo foi a primeira porque se agilizou e preencheu todos os requisitos exigidos pelo programa nacional?, concluiu. Segundo ele, cerca de cem projetos estão em análise e deverão beneficiar 1.700 cidades.Para Marta, o fato de São Paulo receber as primeiras ambulâncias mostra a ?competência e agilidade? do município. ?A prefeitura se empenhou. No ano passado, compramos 62 ambulâncias e bancamos metade dos custos do Samu (Serviço de Atendimento Móvel às Urgências).? As ambulâncias doadas pelo governo federal vão reforçar uma frota de 90 veículos da prefeitura que atendem a chamados de urgência e emergência feitos pelo telefone 192. A prefeitura pretende ampliar em cerca de 30% os atendimentos ? hoje são 14 mil por mês. Para custear o serviço, a cidade vai receber R$ 1,4 milhão mensais.Reta final A entrega das ambulâncias à capital acontece às vésperas do prazo limite estabelecido pela legislação eleitoral para que candidatos participem de inaugurações de obras públicas. A partir do dia 3, Marta, por exemplo, não poderá mais aparecer neste tipo de evento. ?Eu vou cumprir a lei direitinho?, adiantou ontem a prefeita, que discursou em palanque montado no Vale do Anhangabaú, na região central, e vistoriou ambulâncias estacionadas no local sob o fundo musical da banda da Guarda Civil Metropolitana.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.