Governo Lula é um plano de marketing, avalia PSDB

O presidente nacional do PSDB, José Anibal, divulgou documento aprovado pela executiva do partido com um balanço crítico dos primeiros seis mees do governo Luiz Inácio Lula da Silva. Segundo o documento, o estilo de governo do PT neste período cabe em poucas palavras: incoerência, confusão, fisiologismo e incompetência. Anibal divulgou o documento no gabinete do líder do PSDB no Senado, Arthur Virgílio, tendo ao lado o vice-presidente do partido, deputado Alberto Goldman, o vice-líder na Câmara, Walter Feldman, e o deputado João Campos. José Anibal disse que o PSDB tem experiência administrativa e gerencial para criticar. "Tivemos a responsabilidade de administrar o País durante oito anos e continuamos governando oito Estados da federação, entre os quais, os maiores - São Paulo e Minas Gerais", destacou. "O governo Lula, até agora, é um governo de anúncios, que diz uma coisa num dia e desdiz no outro. O primeiro emprego é um programa que não existe, assim como se registra o fracasso do programa Fome Zero. Eles agem com incompetência batendo cabeça e falta completa de coordenação política. Trata-se de um governo que, ao invés de ter um plano de ação, tem um plano de marketing." O vice-presidente do partido, Alberto Goldman, lembrou que o governo do PT não tem o direito de criticar o orçamento da União para 2003 que foi todo elaborado de acordo com o que o novo governo solicitou. Lembrou que foram destinados R$ 1,8 bilhão para o programa Fome Zero, dos quais foram gastos até agora 5%. Anibal completou que depois que o PSDB fez um levantamento sobre o governo Lula e juntou dados , ficou "realmente" assustado. O documento afirma que os resultados dos primeiros seis meses do governo se medem por um número deprimente: 583 mil desempregados a mais, a razão de 100 mil por mês. O presidente do PSDB, José Anibal , lembrou que o governo prometeu criar 10 milhões de vagas avançando a razão de 250 mil novos emprego por mês. "Nesse ritmo de expansão, no resto de 2003 e 2004 não vão chegar nem perto disso", afirma Anibal. O documento tem 12 páginas e, em sua essência, mostra que o governo tem sido ultraconservador na política macroeconômica, embora esteja no rumo certo. Na área social, o documento ressalta, especificamente que em relação ao movimento dos sem terra o governo tem se mostrado inerte administrativamente, incoerente ideologicamente e fraco na articulação política. Acrescenta que, na área social, existe uma sobreposição de ministros que não fazem nada. Quanto à política externa, o PSDB diz que o governo é errático e usa uma linguagem isolacionista. Na economia, o documento afirma que "este é um governo que comemora a deflação e o fato de os índices de risco - câmbio e inflação - terem voltado aos níveis do governo semestre do ano passado, aplicando uma receita ultraortodoxa que reprimou violenteamente a renda e o consumo dos brasileiros".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.