Governo Lula é melhor que o anterior em todos sentidos, diz Ciro

O ministro da Integração Nacional, Ciro Gomes, avaliou que, em todos os setores, o governo Lula está melhor que o governo passado, sem citar o nome do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.. "Não há um único setor em que nós não estejamos melhor, em números, do que ele", afirmou o ministro, ao chegar ao Palácio do Planalto para a cerimônia de balanço do primeiro ano e meio do governo Lula. Ciro atacou os críticos do governo. "Esses críticos da política do velho regime têm que ficar humildes e botar a viola no saco", afirmou.O ministro destacou que o governo Lula ainda tem muito a fazer para atender às necessidades e aos desejos da população. "O que fizemos é insuficiente para o que nós queremos, para as esperanças que nós semeamos na população", reconheceu. Segundo Ciro, o governo está devendo ao povo muito mais.Bem-humorado, o ministro citou dados que, segundo ele, mostram que o governo está melhor, entre eles os recordes na geração de empregos formais com carteira assinada. Ele disse que, depois de um ano difícil, em 2003, em que o governo teve que "apagar um incêndio explosivo e perigoso", que foi herdado do governo anterior, agora os resultados começam a aparecer. "Tínhamos números chocantes de desemprego, queda da renda, destruição da infra-estrutura, colapso no marco regulatório, como o que gerou o apagão", disse. "Hoje, tudo isso passou". Ciro disse que o País, no governo anterior, "navegava a esmo, e agora tem um projeto". Ele citou a direção de rumos que a política externa está tomando. Na avaliação dele, o País deixou de ser "uma republiqueta passiva dos interesses do G-7 e passou a ser um ator fundamental no cenário externo". Ele disse que a nova relação do Brasil com o mundo tem permitido reflexos práticos, como o aumento do comércio exterior, em que o Brasil está batendo recordes na balança comercial. Internamente, ele citou o aumento da participação dos financiamentos na economia pelo do BNDES que, segundo ele, deixou de financiar "criminosamente a venda de ativos públicos a preços de banana". Ele citou o caso do financiamento da norte-americana AES para comprar a Eletropaulo. Citou, também, a indústria nacional que agora opera a plena carga. Disse que o foco agora do governo é desenvolvimento e geração de empregos. Na política social, disse que o governo conseguiu racionalizar e sistematizar suas ações e eliminar a dispersão de recursos e a "roubalheira".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.