Governo leva banda larga a Garanhuns (PE), cidade de Lula

Projeto de RS 1,5 milhão foi assinado nesta quarta-feira pelo governo federal

Gerusa Marques, da Agência Estado,

10 de outubro de 2007 | 13h06

A terra natal do presidente Luiz Inácio Lula da Silva - Garanhuns, em Pernambuco - fará parte do Projeto Cidades Digitais, que oferece à população acesso gratuito à internet em alta velocidade. O ministro das Comunicações, Hélio Costa, assinou nesta quarta-feira, 10, convênio para levar banda larga a Garanhuns e à cidade vizinha, Caetés.   Veja também:  Governo pode ampliar banda larga, diz ministro  Banda larga deve dobrar no Brasil até 2010   Será de cerca de R$ 1,5 milhão o investimento no projeto, uma parceria do governo federal com Motorola, Dell Computadores, Embratel, Companhia Hidroelétrica do São Francisco (Chesf), VAT, Rede Nacional de Pesquisas (RNP) e Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE). A previsão do ministério é de que a rede entre em operação em dezembro.   As empresas doarão cem computadores de mesa e 30 laptops, além de ceder infra-estrutura da rede elétrica e de freqüências de telecomunicações para permitir a construção das redes de acesso à internet, que utilizará a tecnologia sem fio (WiMax). Caberá à UFRPE a elaboração do projeto técnico e a coordenação de sua implantação, operação e gestão da rede.   A idéia, segundo Costa, é a de conectar escolas públicas, postos de saúde e telecentros comunitários, permitindo a prestação de serviços como ensino a distância, programas de telemedicina e troca de informações entre as universidades e centros de pesquisa. "Quando chegam os computadores, a cidade dá um salto. Temos uma experiência em Tiradentes (MG), onde, em seis meses, tivemos um progresso de quase 200%", disse Costa, referindo-se ao aproveitamento dos estudantes.   Cerca de 20 municípios em todo o País fazem parte do Projeto Cidades Digitais, entre elas Aparecida (SP), Piraí (RJ), Parintins (AM), Tauá (CE), Corumbá (GO) e Barreirinhas (MA).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.