Governo lança campanha para combater hepatite

O Ministério da Saúde lançou nesta terça-feira uma campanha para combater a hepatite, uma doença grave, mas ainda muito pouco conhecida pela população. Considerada pela Organização Mundial de Saúde como provável causadora de uma epidemia mundial de grandes dimensões, a hepatite viral também é pouco dominada pelos médicos da rede básica de saúde. Muitos não sabem quando indicar o exame ou as melhores formas de tratamento. "Com a informação, queremos melhorar tanto a prevenção quanto a rapidez no diagnóstico da doença", afirma o coordenador do Programa Nacional de Prevenção e Controle das Hepatites Virais, Antônio Carlos Toledo.Estima-se que existam cerca de 5 milhões de pessoas no País contaminados pelos vírus tipo B ou C da hepatite. Boa parcela, porém, desconhece ser portador da infecção. Historicamente, a maior parte desses pacientes descobre a doença somente quando graves consequências já estão instaladas.A rapidez no diagnóstico da doença hoje encontra uma barreira importante. Poucos são os laboratórios do País capazes de fazer exames específicos para indicar a doença. "Temos de melhorar a infra-estrutura, com a construção de centros de diagnóstico e só então aumentar os esforços de capacitação de médicos da rede básica e também de integrantes de Programas de Saúde da Família", afirma Toledo.A prevenção da hepatite B pode ser feita através de três doses de vacina. Transmitida por via sexual ou por contato com sangue contaminado, na grande maioria das vezes (90% dos casos), a infecção é controlada naturalmente pelo organismo. No caso da hepatite C a situação é oposta: em 80% dos pacientes, o vírus permanece no organismo e pode evoluir, com o tempo, para uma cirrose ou câncer de fígado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.