Governo lança campanha contra aids para homossexuais

Pela primeira vez em mais de 20 anos de epidemia, o governo brasileiro lança uma campanha de prevenção de aids voltada para homossexuais. A iniciativa, anunciada nesta segunda-feira pelo ministro da Saúde, Barjas Negri, e pelo coordenador do Programa de DST/Aids, Paulo Teixeira, começa hoje com a veiculação em emissoras de televisão de um filme publicitário, que traz a história de um jovem que recebe apoio da família ao ter problemas com seu namorado.O filme termina com o slogan: "Respeitar as diferenças é tão importante quanto usar camisinha." O objetivo da campanha é estimular o uso freqüente de camisinhas e reduzir o preconceito da sociedade em relação às diferenças sexuais.Desde 1996, o número de casos de aids entre homens que fazem sexo com homens voltou a crescer no País. Essa tendência é maior entre os mais jovens. A taxa de crescimento entre homens de 15 e 24 anos foi de 8,7%, entre 1996 e 2001. Já entre o grupo com 35 e 44 anos, o aumento foi de 3,1%. "O medo do preconceito e da discriminação faz com que jovens se distanciem das fontes de informação", afirmou o ministro. Teixeira explicou por que somente agora o ministério fez uma campanha voltada para o grupo de homens que fazem sexo com homens. "Não queríamos correr o risco de reforçar com uma campanha o falso conceito de que aids era problema exclusivo de homens que fazem sexo com homens", disse. "Agora temos o momento propício." Além da propaganda que será exibida durante uma semana, a campanha é formada por publicidade na mídia impressa, um filme para cinema, cartazes, folders, chaveiros e porta-balas com camisinhas. "Parte desse material será entregue às organizações não governamentais, que vão distribuir o material", explica Teixeira.A campanha conta ainda com um filme que será exibido em salas de cinema consideradas ponto-de-encontro de homens homossexuais e com cartazes que serão afixados em escolas. O custo da campanha é de R$ 3 milhões. Um estudo feito pelo Ministério da Saúde revela que homossexuais têm 11 vezes mais risco de contrair vírus da aids, quando comparados com homens que mantêm exclusivamente relações sexuais com mulheres.Hoje, o ministro da Saúde participa do lançamento de outra campanha, desta vez voltada para a prevenção no Dia dos Namorados. A campanha é realizada pelo Conselho Empresarial Nacional de Prevenção à Aids, formado por 20 empresas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.