Valter Campanato|Agência Brasil
Valter Campanato|Agência Brasil

Governo já perdeu ao menos seis votos em comissão do impeachment

Dos oito titulares do PMDB, três são a favor do impeachment; O PRB, que nesta quarta desembarcou da base aliada, tem dois votos; a Rede, com um voto, anunciou que votaria favoravelmente ao impeachment.

Daniel Carvalho, Igor Gadelha, Bernardo Caram, Daiene Cardoso e Julia Lindner, O Estado de S. Paulo

17 de março de 2016 | 13h47

Brasília - As dissidências informadas nas últimas 24 horas fizeram o governo perder ao menos seis votos de integrantes da comissão especial que analisará o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff.

Dos oito titulares do PMDB, três são a favor do impeachment. O PRB, que nesta quarta desembarcou da base aliada, tem dois votos. A Rede, com um voto, anunciou que votaria favoravelmente ao impeachment.

O PP não indicou seus cinco titulares e cinco suplentes até as 13h,o que exigirá a realização de eleições suplementares.

Nas contas da oposição, há entre 37 e 39 titulares favoráveis ao impeachment. A comissão terá um total de 65 membros titulares e igual número de suplentes. A distribuição das vagas é a seguinte: PMDB (8), PP(5), PTB (3), DEM (3), PRB (2), PSC (2), SD (2), PEN (1), PHS (1), PTN (1), PT (8), PR (4), PSD (4), PROS (2), PC do B (1), PSDB (6), PSB (4), PPS (1), PV (1), PDT (2), PSOL (1), PT do B (1), PMB (1), Rede (1).

Líderes da oposição e de partidos aliados do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), reuniram-se na noite de ontem na residência oficial da presidência da Casa para discutir a composição da comissão processante do impeachment da presidente Dilma Rousseff.

Segundo o Estado apurou, líderes da oposição e aliados do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), reuniram-se na noite de ontem para fazer a contagem de seus votos e acertaram de eleger o líder do PSD, Rogério Rosso (DF), para presidente da comissão e Jovair Arantes (GO), líder do PTB, para relator. Esses dois postos são escolhidos por votação entre os membros do colegiado. Da base aliada, mas próximos a Cunha, os nomes foram escolhidos por não serem radicais e por terem trânsito dos dois lados. Inicialmente eles não queriam ocupar os postos, mas foram convencidos após insistência.

No entanto, nem todos concordam com os nomes. A oposição reuniu-se pela manhã e deve se encontrar novamente nesta tarde. Um líder oposicionista disse ao Estado que novos nomes deverão surgir.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.