Governo indica senadores para CPI da Petrobrás

Dois peso pesados devem comandar a CPI: Senadora Ideli Salvatti (PT-SC) e Romero Jucá (PMDB-RR)

27 de maio de 2009 | 00h25

Depois de atropelar a oposição, o governo estava disposto, na noite desta terça-feira, a indicar pesos pesados para os dois cargos de comando Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar a Petrobrás e a Agência Nacional do Petróleo (ANP). A expectativa era que o inquérito seja comandado por dois líderes do governo: a senadora Ideli Salvatti (PT-SC), que deve ser a presidente, e o senador Romero Jucá (PMDB-RR), que deve ficar com a relatoria. Ideli é líder do governo no Congresso e Jucá líder do governo no Senado. Além de dois líderes governistas, a CPI vai contar ainda com um ex-presidente da República: o senador Fernando Collor de Mello (AL) que, em 1992, sofreu impeachment.

 

Veja Também:

linkSem mais vagas na CPI, oposição obstrui votação de MPs no Senado

linkLula nega interferir na composição da CPI da Petrobras

linkPSDB desiste de pedir 4ª vaga para oposição na CPI

especialO que será apurado pela CPI da Petrobras

 

A provável indicação de dois líderes para comandar a CPI da Petrobrás é uma demonstração clara de que o clima no inquérito será de enfrentamento com a oposição. Era quase meia noite quando o PMDB divulgou a relação de seus indicados para integrar a CPI da Petrobrás, que terá 11 titulares e sete suplentes. Além de Jucá, o líder do partido, senador Renan Calheiros (AL), escolheu os senadores Leomar Quintanilha (TO) e Paulo Duque (RJ) como titulares. Já os senadores Almeida Lima (RJ) e Valdir Raupp (RO) vão ficar na suplência.

 

Pelo bloco governista (PT/PR/PRB/PSB/PC do B), os titulares foram escolhidos foram os senadores João Pedro (PT-AM) e Inácio Arruda (PC do B-CE), além de Ideli. Na suplência estão os senadores Marcelo Crivella (PRB-RJ) e Delcídio Amaral (PT-MS). Para integrar a CPI, Inácio Arruda terá de deixar a relatoria da CPI das ONGs. A Agência Nacional de Petróleo é controlada pelo PC do B.

 

A oposição também escolheu peso pesados para ir para a CPI da Petrobrás. Os nomes dos oposicionistas devem ser protocolados na manhã desta quarta-feira. O DEM pretendia pôr na CPI os senadores Antonio Carlos Magalhães Júnior (BA), como titular, e dar a Heráclito Fortes (PI) a suplência. Heráclito é presidente da CPI das ONGs - mas como suplente não precisa deixar este inquérito. Já pelo PSDB deveriam ser indicados Sérgio Guerra (PE) e Álvaro Dias (PR), como titulares, e Tasso Jereissati (CE) na suplência. O PDT indicou o senador Jefferson Praia (AM) e o PTB os senadores Fernando Collor de Mello (AL) e Gim Argello (DF), este último como suplente.

 

Antes de indicar os nomes do bloco governista, o líder do PT, senador Aloizio Mercadante (SP), pretendia encontrar-se, na noite desta terça-feira, com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Mas o presidente, que chegou por volta das 8h30 em Brasília vindo de Salvador, foi direto para o Palácio da Alvorada. O encontro de Lula com Mercadante estava previsto para a manhã desta quarta-feira, às 9 horas, segundo agenda divulgada pela assessoria do ministro das Relações Institucionais, José Múcio Monteiro.

Mais conteúdo sobre:
CPIPetrobrasgoverno

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.