Governo ignorou crise energética

O ministro da Casa Civil, Pedro Parente, que se afastou temporariamente do cargo para assumir a presidência da Câmara de Gestão da Crise de Energia, disse ontem que o governo só teve a exata dimensão da gravidade da crise energética na terça-feira, depois da reunião do Conselho Nacional de Energia Elétrica (CNPE). Segundo o ministro, até então "não havia informação ou indício de que a situação poderia chegar àquilo que agora se diz". Parente salientou que até novembro do ano passado as informações do Operador Nacional do Sistema (ONS) eram de que o cenário energético para 2001 era melhor do que o de 2000, mesmo com um acréscimo de demanda de 5%. Leia mais no site do Estado

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.