Governo ganha 24 horas para negociar com PF

O governo ganhou pelo menos 24 horas na tensa negociação com os líderes das carreiras da Polícia Federal. Sob alegação de que um técnico do Ministério do Planejamento estaria em viagem a São Paulo, a assessoria do ministro Paulo Bernardo pediu adiamento da reunião com os policiais federais para quarta-feira, 11, à tarde. O encontro estava marcado, inicialmente, para esta terça-feira em Brasília. "Aumenta a ansiedade", declarou Sandro Avellar, presidente da Associação Nacional dos Delegados da PF.Os federais querem imediato reajuste salarial de 30%, mas o governo resiste porque pretende impor contingenciamentos. A base da reivindicação da PF é um documento assinado pelo criminalista Marcio Thomaz Bastos, que foi ministro da Justiça no primeiro mandato do presidente Lula. A pendência é o primeiro grande desafio do novo ministro da Justiça, Tarso Genro, que abriu negociação com os federais. A PF é subordinada à pasta dirigida por Tarso.Datado de 2 de fevereiro do ano passado, o acordo firmado pelo Ministério da Justiça com o Grupo de Entidades Representativas de Classe da PF (Gerc) prevê pagamento de 60% em duas parcelas de 30%. A primeira foi quitada em julho. A segunda deveria ter sido paga em dezembro, mas não foi.Acusação de caloteOs policiais federais acusam o governo de dar um calote na instituição. Na última semana de março, eles decidiram fazer um protesto de advertência que alcançou 25 das 27 superintendências regionais. A paralisação de 24 horas afetou diretamente o andamento de 38 mil inquéritos em quase todo o País. Pelo menos 4 mil passaportes deixaram de ser expedidos, segundo balanço da Federação dos Delegados da PF. Na semana passada, os federais ameaçaram com uma operação-padrão nos principais aeroportos e portos, mas recuaram.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.