André Dusek/ Estadão
André Dusek/ Estadão

Governo formaliza envio de pacote adicional ao projeto do Orçamento de 2016

Adendo de proposta enviada a parlamentares inclui corte de R$ 26 bilhões em despesas, adiamento de reajuste de servidores públicos, suspensão de concursos públicos, elevação de impostos e recriação da CPMF

Luci RIbeiro, O Estado de S. Paulo

15 de setembro de 2015 | 08h02

BRASÍLIA - A presidente Dilma Rousseff formalizou, no Diário Oficial da União (DOU), desta terça-feira, 15, o encaminhamento ao Congresso Nacional de informações complementares ao Projeto de Lei Orçamentária de 2016. Mensagem publicada no diário avisa que o material foi enviado exclusivamente em meio eletrônico. 

Ontem, menos de 15 dias da entrega da proposta inicial do Orçamento de 2016 e cinco dias após o Brasil perder o selo de bom pagador da agência Standard & Poor's, o governo anunciou corte de R$ 26 bilhões em despesas, adiamento de reajuste de servidores públicos, suspensão de concursos públicos e elevação de impostos. 

O governo também incluiu no adendo ao projeto enviado aos parlamentares a recriação da CPMF, que terá vigência por quatro anos com alíquota de 0,20% e poderá render R$ 32 bilhões para cobrir pagamento de aposentadorias. 

As medidas, apresentadas pelos ministros do Planejamento, Nelson Barbosa, e da Fazenda, Joaquim Levy, têm como objetivo cobrir o déficit de R$ 30,5 bilhões no Orçamento do próximo ano e alcançar superávit de 0,7% do PIB (R$ 34,4 bilhões). 

Durante o anúncio, foram listadas nove medidas que, segundo Barbosa, resultarão em um esforço fiscal de R$ 64,9 bilhões. Parte do pacote terá de ser aprovada pelo Congresso, como a nova CPMF. Programas sociais, como o Minha Casa Minha Vida, e o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) também sofreram cortes. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.