Governo federal vai liberar recursos para socorrer Rigotto

Em mais uma tentativa de mostrar que o Palácio do Planalto não está parado por causa da crise chamada Waldomiro Diniz, o ministro da Coordenação Política e Assuntos Institucionais, Aldo Rebelo, anunciou que o governo vai promover um ajuste de contas com o Rio Grande do Sul. Com dificuldades para pagar a folha salarial de fevereiro, o governador gaúcho, Germano Rigotto (PMDB), está reivindicando cerca de R$ 250 milhões. O dinheiro se refere a um crédito devido pelo governo federal ao Estado depois que cerca de 57 mil servidores passaram para o regime próprio da Previdência, tendo contribuído anteriormente com o INSS. Rebelo negou que a decisão de acelerar os pagamentos guarde relação com a tentativa do Planalto de angariar apoio dos governadores contra a instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar o caso Waldomiro. "O governo não precisa dos governadores para isso", afirmou. "Não achamos que haja crise". Apesar de divulgar a intenção do governo de acelerar os pagamentos devidos para resolver o problema de caixa do Rio Grande do Sul, Rebelo não disse quanto será liberado. "Até agora, pagamos cerca de R$ 8 milhões, o que está muito aquém das necessidades do Estado", admitiu. O ministro disse, porém, que o governo só recebeu até agora 20 mil dos 57 mil processos de servidores. Além disso, segundo ele, muitos continham erros técnicos. "Reiteramos que vamos respeitar todos os pontos da Lei de Responsabilidade Fiscal e a nossa preocupação na busca de soluções para resolver pendências com outros Estados", afirmou Rebelo. De acordo com ele, o Piauí também tem problema semelhantes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.