Governo fecha lista com grande devedores da Previdência

A lista com os nomes dos grandes devedores da Previdência e as ações concretas que o governo federal vai tomar para executar essa dívida foram praticamente definidas em reunião realizada no final de semana em Brasília, e serão divulgadas ainda este mês, informou hoje o ministro da Previdência, Ricardo Berzoini. A partir disso, de acordo com ele, uma lista atualizada será divulgada trimestralmente. "Estamos tomando cuidado para não cometer injustiças", afirmou o ministro. "Existem ações efetivas para a cobrança que não dependem de mudanças na lei, mas apenas de mudanças administrativas."O ministro informou ainda que o governo deverá estender rapidamente para todos os Estados brasileiros a ação de forças-tarefas conjuntas da Polícia Federal, do Ministério Público e do INSS para combater as fraudes na Previdência. Por enquanto, lembrou ele, forças-tarefas já estão em ação nos Estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Brasília. "Combate às fraudes é tão importante para a Previdência quanto a reforma", afirmou ele.A dívida histórica da Previdência é de R$ 185 bilhões e os principais devedores nunca tiveram seus nomes divulgados. Hoje, o presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST), ministro Francisco Fausto, cobrou do governo a divulgação da lista.Berzoini, que neste momento fala sobre a proposta do governo para a reforma a mais de 100 empresários reunidos na Associação Comercial de São Paulo (ACSP), garantiu que o governo está otimista com a transação da proposta de reforma no Congresso e não teme que ela seja desfigurada ao longo do debate. "Pela primeira vez, e esse é um fato histórico, o encaminhamento da proposta contou com a participação dos 27 governadores", disse.O ministro negou ainda que o governo tenha "inchado" a proposta para negociar mudanças e manter o essencial durante o processo de aprovação no Parlamento. "A priori, nem um ponto da proposta é negociável. Ao Parlamento caberá fazer o ajuste fino da proposta", argumentou ele.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.