Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

Governo faz movimento para erodir o espírito da Lei de Acesso; leia análise

Ao longo da gestão Bolsonaro, repetiram-se casos de pedidos negados, cujos temas eram caros ao presidente

Francisco Leali*, O Estado de S.Paulo

05 de abril de 2022 | 05h00

No ano em que a Lei de Acesso à Informação (LAI) completa uma década de vigência, o governo Bolsonaro volta a dar sinais de reincidente apego ao sigilo. Ao rejeitar pedido de acesso aos registros de entrada e saída no Palácio do Planalto de Valdemar Costa Neto, presidente do PL, partido do próprio Bolsonaro, o governo indica que segue em movimento de erodir o espírito da LAI.

A Controladoria-Geral da União (CGU), órgão encarregado de zelar pela transparência governamental, já decidiu inúmeras vezes que esse tipo de dado é público. E ainda rejeitou o argumento, reiterado agora no caso das visitas de Valdemar, de que esses dados afetam a “segurança pessoal” do presidente. Mas a Presidência da República prefere ignorar isso, retardando, até onde pode, a divulgação da informação.

A inclinação de Bolsonaro à opacidade não é de hoje. O presidente se associa à cultura do sigilo presente em setores do Executivo, como as Forças Armadas. Não por acaso, em 2008, quando o texto da Lei de Acesso estava em gestação, o Exército se opôs à ideia de uma legislação que obrigasse o poder público a abrir seus arquivos.

Ao longo da gestão Bolsonaro, repetiram-se casos de pedidos negados, cujos temas eram caros ao presidente. No ano passado, impôs-se cem anos de sigilo à sindicância sobre a participação do general Eduardo Pazuello num ato político com o presidente, sem autorização prévia do Comando do Exército. 

Quando se apresentar aos eleitores neste ano, por mais quatro anos de mandato, Bolsonaro já não poderá mais se vender como o faxineiro da máquina pública. Agora, sabe-se que em seu governo pastores puderam cobrar propina no Ministério da Educação e que foi abolido o princípio de que a publicidade é a regra, e o segredo a exceção. 

*JORNALISTA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.