Governo fala em votar Previdência até dia 30

Poderá ser necessária toda a próxima semana para as negociações em torno dos pontos polêmicos da proposta de reforma da Previdência, aprovada ontem na comissão especial da Câmara. Um importante líder da base aliada acha importante que os governistas se entendam em relação a esses pontos. O líder do governo, deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP), otimista, avalia que há condições para a votação da proposta já na próxima quarta-feira, dia 30. Ele faz, porém, a ressalva de que tudo vai depender das conversações entre os líderes da base aliada e os da oposição. Os líderes governistas querem evitar, desta vez, os desgastes ocorridos entre a própria base aliada e o Palácio do Planalto e fechar um acordo amplo para a votação da proposta no plenário da Câmara. O PL, o PSB e o PTB, por exemplo, já manifestaram a intenção de mudar na reforma o piso da pensão integral do servidor público - de R$ 1.058,00 para R$ 2,4 mil. Outra proposta defendida por esses três partidos da base aliada é a do aumento do subteto dos magistrados nos Estados - de 75% dos vencimentos de ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) para 90,25%. Importante liderança governista prevê que, além desses pontos, pelo menos mais três terão que ser negociados dentro da própria base, o que mostra que as conversações podem exigir toda a próxima semana. Os líderes dos partidos aliados ainda vão discutir com o Palácio do Planalto a questão das nomeações para os cargos de governo por eles reivindicados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.