Governo estuda medidas para impedir bingos, diz Rebelo

O governo já estuda medidas para evitar o funcionamento dos bingos no País, que estão sendo articuladas pelo Ministério da Justiça, Advocacia Geral da União e Casa Civil, informou o ministro de Coordenação Política, Aldo Rebelo. Segundo ele, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva não considerou uma derrota do governo, mas de toda a sociedade, a decisão do Senado de arquivar a MP que proibia o funcionamento de casas de bingos e caça-níqueis em todo o País. "A derrota foi da sociedade, que tinha e tem interesse em coibir certos tipos de jogos de azar como caça-níqueis, que além de viciar, retira da população mais pobre parte dos seus rendimentos", disse o ministro, segundo o site da Radiobrás. Aldo Rebelo garantiu que nenhuma ação, nem mesmo a edição de uma nova Medida Provisória sobre o tema, está descartada pelo governo neste momento. O ministro minimizou a derrota da MP no Senado e disse que ela foi "circunstancial". Na avaliação de Aldo Rebelo, os bingos já estavam proibidos de funcionar de acordo com a legislação federal. "O prejuízo é parcial, porque os bingos já são proibidos no Brasil", enfatizou.Rebelo defendeu os senadores da base aliada do governo no Senado. Segundo ele, não houve um "cochilo" que permitiu a derrota da MP em plenário. O ministro disse que alguns parlamentares, como o líder do governo Aloízio Mercadante, tiveram que se ausentar de Brasília por problemas pessoais. "As lideranças do governo tentaram evitar que a votação acontecesse hoje em função de ausências. O senador foi obrigado a viajar por motivos de falecimento de um ente muito próximo da família, mas o PFL e o PSDB venceram a proposta de continuar a votação", esclareceu. Ele admitiu que o governo tem um histórico de grandes e importantes vitórias no Congresso este ano, e que teria maioria em condições normais para aprovar a MP no Senado. "O governo tem demonstrado eficiência em sua base em todos os projetos que apresentou até hoje. Qualquer governo pode ver uma medida de interesse do País derrubada", afirmou.A intenção do governo é, segundo Aldo Rebelo, reduzir a edição de Medidas Provisórias para garantir a aprovação de seus projetos mais relevantes. "Algumas MPs são necessárias e urgentes. Temos o compromisso de tentar reduzir para facilitar a tramitação das MPs já existentes e dos projetos de interesse do país", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.