Governo estuda dar ajuda financeira a brasileiros no Suriname

Na véspera de Natal, 300 quilombolas agrediram brasileiros, chineses e javaneses que estavam em Albina

Agência Estado

03 de janeiro de 2010 | 12h02

A assessoria de imprensa do Ministério das Relações Exteriores informou no sábado, 2, que o governo estuda a possibilidade de enviar ajuda financeira aos brasileiros que permanecem no Suriname após o ataque a 200 estrangeiros na véspera de Natal.

 

Veja também:

linkA saga dos garimpeiros brasileiros nos últimos 40 anos

linkEmbaixador descarta motivação política em ataque no Suriname

linkEmbaixada divulga lista de brasileiros que estavam em Albina

linkEmbaixador confirma estupros no Suriname

linkPerfil: Suriname, colonizado pela Holanda e de maioria hinduísta

Na ocasião, cerca de 300 quilombolas agrediram brasileiros, chineses e javaneses que estavam em Albina, cidade localizada a 150 km de Paramaribo, capital do Suriname. Houve agressões físicas, estupros e depredações. Por segurança, todos os brasileiros foram retirados do local.

A maioria deles está hospedada em hotéis de Paramaribo com as despesas pagas pelo governo brasileiro. De acordo com o Itamaraty, US$ 40 milhões já foram gastos com hospedagem, medicamentos e envio de dois aviões da Força Aérea Brasileira (FAB) ao local para trazer os brasileiros de volta ao País.

A assessoria informou que seis diplomatas fazem o mapeamento das perdas sofridas por brasileiros apenas por meio de relatos. A previsão é que o tipo de ajuda enviada pelo governo brasileiro seja definido nos próximos dias.

Os garimpeiros que ainda permanecem no país vizinho já cobram ajuda do governo brasileiro para retornar ao garimpo. Sem terem como trabalhar desde que foram forçados a abandonar a região, eles dizem esperar dinheiro do governo para recomeçarem a vida no Suriname. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.