Governo estuda biodiesel para desenvolver semi-árido

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva deixou a cidade de Itagiba, Minas Gerais, onde inaugurou uma ponte sobre o rio Jequitinhonha, com o seu nome, e assinou protocolo autorizando o início das obras do programa "Luz para Todos" no Estado. Ele disse que há um estudo de lançamento de um grande projeto de biodiesel para criar o desenvolvimento no semi-árido do Nordeste e no Vale do Jequitinhonha para que as pessoas não precisem viver mais com o dinheiro do Bolsa Família, mas com o dinheiro do próprio trabalho.O presidente pediu aos vereadores da cidade que mudem o nome da ponte que tem o seu nome. Ele disse ter ficado lisongeado com a lembrança, mas que preferia que a homenagem fosse prestada a um morador da cidade. Um pouco antes, na cerimônia, o governador de Minas Gerais, Aécio Neves (PSDB), fez um apelo ao presidente para que o Vale do Jequitinhonha, o vale da região do semi-árido e da região de Mucuri não fiquem fora dos benefícios da Sudene. No final do discurso, o presidente respondeu ao governador afirmando que o polígono da seca está incluído na política de desenvolvimento da Sudene. As manifestações de servidores públicos, canoeiros e da polícia federal contra o presidente, que estavam sendo aguardadas, não aconteceram. Havia apenas algumas faixas de protesto. O sindicato dos servidores públicos era autor de uma delas que dizia: "A desilusão está vencendo a esperança". Mas o prefeito de Itinga, Heitel Rodrigues Pego, que é do PL, não escapou das vaias de filiados do PT. O presidente Lula teve que acenar para o grupo, pedindo silêncio, para que o prefeito pudesse falar. O governador de Minas também não escapou das vaias dos professores que carregavam faixas afirmando que "A educação está de luto".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.