André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Governo estuda a hipótese de editar novo decreto de indulto

Ministra Carmén Lúcia suspendeu parcialmente indulto de Temer enviado semana passada

Carla Araújo, O Estado de S.Paulo

28 de dezembro de 2017 | 20h23

BRASÍLIA -  O presidente Michel Temer estuda a hipótese de editar um novo decreto que trata do indulto em substituição ao que foi suspenso parcialmente pela presidente do Supremo Tribunal Federal. Segundo auxiliares do presidente, a decisão "prejudica milhares de pessoas" e uma das possibilidades seria adequar o decreto do indulto aos termos da decisão proferida pela ministra.

+++Governo estuda critérios para compensar “excluídos” do indulto de Natal

+++ Leia a íntegra da decisão de Cármen Lúcia

Apesar disso, salientam interlocutores, o tema é delicado e qualquer decisão tem que ser bastante articulada para evitar um desgaste institucional. Fontes ligadas ao presidente defendem, inclusive, que se busque "um diálogo" com a ministra Cármen Lúcia antes de qualquer nova decisão do governo.

A avaliação do ministro da Justiça, Torquato Jardim, é de que a liminar da presidente do STF suspendeu apenas três das 27 hipóteses de indulto e que "parte substancial do indulto segue em vigor". Por meio da assessoria de imprensa, a Justiça confirma que o governo avalia a possibilidade de um novo decreto.

Mais cedo, antes da decisão do STF, Torquato havia afirmado que o governo não tinha a intenção de recuar do decreto publicado na semana passada que concede indulto a presos. O ministro afirmou que não havia chance de recuo "salvo por ordem judicial" do Supremo Tribunal Federal (STF). 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.