Governo espera adiar CPI do Banestado para agosto

O governo já dá como certa a instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Banestado, destinada a investigar a remessa ilegal de US$ 30 bilhões para o exterior, mas quer retardar ao máximo o início dos trabalhos.O Palácio do Planalto aposta no sucesso da estratégia montada para adiar a CPI para agosto, tempo suficiente para dar embalo à discussão das reformas.O calendário da semana que vem é duplamente favorável à tática palaciana: além do feriado de Corpus Christi na próxima quinta-feira, encurtando a semana, a agenda da Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado da Câmara cumprirá o papel de suprir, estratégicamente, a falta de uma CPI.?Vamos ter de conviver com esta CPI normalmente. Não há mais hipótese de recuo?, admite, tranqüilo, o relator da reforma tributária na Câmara, Virgílio Guimarães (MG). Praticamente todos os partidos já indicaram seus representantes na CPI.Ainda que ela seja instalada na semana que vem, o tempo até o final do mês será muito curto para a comissão funcionar de vez. E, em julho, ela não poderá trabalhar porque não está incluída na pauta da convocação extraordinária.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.