Governo escala 'seleção de ministros' para inaugurações simultâneas do Minha Casa

Dilma só pode entregar obras até sexta-feira; um dia antes, ela e dez ministros vão participar de solenidades em 7 Estados

Murilo Rodrigues Alves, O Estado de S. Paulo

02 de julho de 2014 | 15h03

BRASÍLIA - O governo Dilma Rousseff prepara para esta quinta-feira, 3, uma mega-inauguração do Minha Casa, Minha Vida, a três dias do início oficial da campanha para a Presidência da República. A legislação proíbe que candidatos participem de entregas de obras ou equipamentos públicos no período de campanha, que começa neste domingo, 6.

No evento desta quinta, será lançada a terceira etapa do programa de habitação popular, uma das vitrines do governo do PT. A meta será construir 3 milhões nos próximos quatro anos a partir de 2015.

Dilma estará no Paranoá, cidade-satélite de Brasília, onde entregará as chaves para 464 famílias. Ao mesmo tempo, dez ministros de Estado vão inaugurar outros empreendimentos em dez cidades, localizadas em 7 Estados diferentes. Ao todo, serão entregues aproximadamente 5 mil casas ou apartamentos para famílias que ganham até R$ 1,6 mil por mês. Em um telão no Paranoá, a presidente vai acompanhar a inauguração dos empreendimentos feita pelos integrantes da "seleção de ministros" enviada para outros cantos do País.

Dilma tinha marcado o anúncio da terceira etapa do Minha Casa, Minha Vida para o fim de maio, mas cancelou o evento depois que o presidente nacional do PSB e pré-candidato do partido à Presidência da República, Eduardo Campos, prometeu ao setor da construção civil construir 4 milhões de casas em quatro anos.

Nesta quarta-feira, 2, pela manhã, a presidente confirmou a meta de construir 3 milhões de casas na terceira etapa. Ela participou de solenidade para entregar 496 unidades habitacionais em Vitória (ES). Segundo a presidente, é possível construir 1 milhão de casas por ano, mas atualmente o programa não atinge essa marca: são 960 mil moradias por ano.

Ou seja, o governo quer divulgar uma meta mais "modesta", embora considera ser possível construir mais casas em quatro anos, para bater o bumbo com resultados melhores, da mesma forma como se deu nas outras duas etapas.

O Minha Casa, Minha Vida completou cinco anos em abril deste ano, com a contratação de 3,4 milhões de unidades, mas apenas 1,7 milhões foram entregues. A primeira fase do programa de habitação popular, ainda no governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, teve 1 milhão de moradias contratadas. A etapa atual, lançada em 2011 com meta de 2 milhões de unidades até este ano, foi ampliada, pela presidente Dilma, para 2,75 milhões de residências.

Tudo o que sabemos sobre:
Dilma RousseffMinha Casa Minha Vida

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.