Governo errou na fiscalização dos cartões, diz Múcio

O ministro das RelaçõesInstitucionais, José Múcio Monteiro, disse nesta terça-feiraque o governo reconheceu ter cometido um erro no acompanhamentodos gastos com os cartões corporativos e que está disposto acorrigi-lo. "Se nós criamos a transparência, deveríamos ter tido maiscuidado na aferição dos gastos. Faltou mais rigor nafiscalização", disse Múcio, transmitindo a conclusão a quechegaram o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e os ministrosna reunião da coordenação política, na segunda-feira. Múcio garantiu que o governo está seguro de que o cartãocorporativo é a melhor forma de se acompanhar os gastospúblicos do funcionalismo e não se arrepende de sua exposiçãono Portal da Transparência, que pode ser acompanhado porqualquer cidadão. "Transparência é importante, o portal é importante. Oproblema não é o cartão, é quem usa o cartão", disse Múcio. "Seno primeiro sinal de irregularidade o governo tivesse sido maisrigoroso, talvez (a situação) não tivesse chegado a esseponto", acrescentou. CARGOS E REFORMA O ministro informou que Lula reúne-se na quarta-feira com oministro de Minas e Energia, Edison Lobão, para discutir cargosno setor elétrico. Múcio espera que a questão dos cargos estejaresolvida até o fim do mês. "O problema não está nas indicações, mas na periferia decada nome", disse, referindo-se às indicações não acolhidas e aquem sai dos cargos. Múcio disse que o governo vai enviar ao Congresso aproposta completa de reforma tributária, mas não acredita queem seis meses tudo se resolva. Para o ministro, alguns pontos serão aprovados, pois o anoé curto por conta das eleições municipais e, agora, da CPI doscartões, e não dará tempo de votar tudo. (Texto de Mair Pena Neto; Edição de Renata de Freitas)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.