Governo enfrenta batalha para votar CPMF na Câmara

O governo enfrentará uma semana decisiva na batalha para aprovar a prorrogação da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) no Congresso. Além de driblar a resistência do PFL, os aliados do governo terão de garantir quorum para limpar a pauta da Câmara, travada por 18 Medidas Provisórias (MPs). A obstrução da pauta da pelasMPs não atormenta apenas o presidente da Casa, deputado Aécio Neves (PSDB-MG), e os líderes partidários, mas também o presidente Fernando Henrique Cardoso. Num encontro que teve naquarta-feira com o presidente nacional do PSDB, deputado José Aníbal (SP), Fernando Henrique disse que está "preocupadíssimo" com a situação política que seu sucessor vai herdar, porque as MPs vão "emperrar tudo".A preocupação de Fernando Henrique diz respeito à própria governabilidade. Por causa das medidas provisórias, a Câmara não tem condição de votar o segundo turno da emenda constitucionalque prorroga até 31 de dezembro de 2004 a Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF). Cada semana sem a CPMF representa R$ 420 milhões de prejuízo, de acordo com os cálculos da equipe econômica. E uma contribuição - caso da CPMF - tem de ser aprovada 90 dias antes de entrar emvigor. A atual CPMF termina no dia 17 de junho. Significa que o atraso até agora é de duas semanas. Como ainda resta votar o segundo turno da emenda da CPMF na Câmara, para depois enviá-laao Senado, para apreciação em dois turnos, o governo já contabiliza um prejuízo que pode chegar a R$ 6 bilhões. Ao todo, a CPMF deveria render cerca de R$ 20 bilhões em 2002.Para atrapalhar a vida do governo, o PFL avisa que não aceitará a redução nos prazos de tramitação da emenda no Senado. "O governo não terá vida fácil, porque o PFL não tem interesse em ajudá-lo em nada", disse o deputado Roberto Brant (MG), ex-ministro da Previdência, que se demitiu assim que seu partidorompeu com o governo.Medidas ProvisóriasÀs seis medidas provisórias que obstruíama pauta da Câmara desde o dia 24, juntam-se nesta segunda-feira a outras 12, que também completaram 45 dias de edição. Diz a Constituição que, se as MPs não forem votadas em 45 dias, tudo o que estiver na pauta da Câmara e do Senado não pode ser votado.Pior: entre as 18 medidas provisórias, há diversas polêmicas, a exemplo da que muda o setor elétrico.Essa MP, cujo relator é o deputado José Carlos Aleluia (PFL-BA), secretário-geral do PFL e um dos comandantes da ala rebelde do partido, cria o seguro contra o apagão e compensa as empresas dosetor elétrico que tiveram prejuízo com o racionamento. Aleluia quer criar benefícios para os consumidores de até 85 quilowatts-horas mensais e estabelecer critérios para o aumento da tarifa de energia, que vai de 2,9% a 7%, dependendo da faixado consumidor.O governo discorda, mas não tem outra alternativa a não ser ceder às exigências do deputado do PFL. Por causa da obstrução da pauta pelas MPs, Aécio Neves convocou uma reunião do Colégio de Líderes para terça-feira. Ele fará um apelo para que seja facilitada a aprovação das medidas provisórias não-polêmicas etentará encontrar uma forma de punir os parlamentares que faltarem às sessões, mas não há solução fácil para acabar com a gazeta de deputados.Eles já sofrem descontos em seus salários e, de acordo com a Constituição, podem perder o mandato se faltarem em mais de um terço das sessões. Mesmo assim é difícil mantê-los em plenário por um grande tempo, pois acabam indo aos ministérios defender seus interesses. Quando retornam, justificam a falta dizendo que na votação anterior seguiram a orientação partidária. A Mesa aceita esse tipo de argumento e não faz o desconto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.