Governo e grevistas do INSS não chegam a acordo

Governo e sindicalistas não chegam a um acordo e a greve do INSS continua. Nesta quarta-feira, o governo propôs cumprir o acordo firmado no ano passado, que prevê o pagamento de até 47% referente ao Plano de Cargos e Carreiras, reabir o prazo de adesão para esse acordo e criar um grupo de trabalho para estudar a reestruturação da carreira. Para o presidente da Federação Nacional dos Servidores de Saúde e Previdência, João Torquato, falta ainda um compromisso do governo de que a reestruturação não fique só no acordo. "Sem compromisso, a greve continua", disse. O diretor de Programas do Ministério do Planejamento, Vladimir Nepomuceno, afirmou que essa é a palavra final do governo eque o comando de greve tem até sexta-feira para responder a proposta. Se isso não acontecer, Nepomuceno disse que o governo deve encerrar a negociação. Somente com o cumprimento do acordo o Ministério da Previdência irá desembolsar R$ 25 milhões por mês. Segundo o Ministério da Previdência, mais 16 agências pararam nesta quarta, totalizando 176 agências sem funcionamento. Além dessas, outras 151 funcionam parcialmente, com atendimento limitado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.