Governo e centrais querem fechar mínimo na próxima terça

Governo e centrais sindicais querem fechar um acordo na próxima terça-feira sobre o novo valor do salário mínimo que vai vigorar a partir de abril de 2007. Nesta quinta-feira, os ministros do Trabalho, Luiz Marinho, e da Previdência Social, Nelson Machado, estiveram reunidos com os dirigentes sindicais, mas não foram discutidos valores. "Nós pretendemos apresentar uma proposta concreta que busque fechar uma negociação e crie as condições para que o Orçamento (de 2007) seja aprovado pelo Congresso já incorporando este processo de negociação", informou Marinho após a reunião. O ministro afirmou também que o valor de R$ 375, aprovado esta semana pela Comissão Mista de Orçamento do Congresso Nacional, não foi acordado com o governo. "Não tem acordo nenhum sobre o valor do salário mínimo. Não tenho conhecimento de que o governo tenha liberado o relator do Orçamento (senador Valdir Raupp) para aprovar R$ 375", disse Marinho. Os líderes sindicais, no entanto, anunciaram que o valor aprovado pelo Congresso é o piso para as negociações. O presidente da Força Sindical e deputado federal eleito por São Paulo, Paulo Pereira da Silva (PDT), acredita que o acordo deve ser um valor entre os R$ 375 e os R$ 420 propostos pelos trabalhadores. Para o sindicalista, as negociações foram atropeladas pelo Congresso. "Não podemos aceitar os R$ 375 porque esse valor já está queimado", disse.As centrais sindicais também esperam receber do governo, na próxima terça-feira, uma proposta para reajuste da tabela do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF) mesmo com a aprovação, na última quarta-feira, pela Câmara dos Deputados de uma correção de 3% para 2007 e mais 3% em 2008. Os trabalhadores reivindicam 7,7% para o próximo ano. Na semana passada, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, declarou que os 3% acordados com o Congresso são inegociáveis. O presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Artur Henrique da Silva Santos, destacou que, caso o governo apresente uma proposta de valorização do salário mínimo, com garantias de reajustes ao longo dos próximos anos, os trabalhadores podem concordar com um reajuste menor que os R$ 420 para 2007. Ele ressaltou, no entanto, que as centrais sindicais só aceitam uma política de salário mínimo vinculada à situação da Previdência Social se os trabalhadores puderem participar da gestão da Previdência. Em resposta, o ministro Nelson Machado disse que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva irá promover um amplo debate nacional sobre o futuro da Previdência. "No longo prazo, todo mundo sabe que todas as sociedades refazem seu contrato social. E o presidente Lula sinalizou que vai abrir um debate sobre o futuro da Previdência. E é nesse bojo que estamos colocando a participação da sociedade, seja por meio de um conselho deliberativo ou consultivo, gerindo a Presidência Social", afirmou Machado. Ele ressaltou que a idéia é montar uma proposta para o futuro de reformulação da Previdência que seja aceita pelo Congresso Nacional.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.