Fernando Gomes/Agência RBS
Fernando Gomes/Agência RBS

Governo do RS deve sacrificar repasses à saúde e educação para garantir salários de servidores

Após parcelar a folha de julho e de agosto, o governo honrou os vencimentos de setembro na data prevista, mas manteve em aberto o quadro para os meses seguintes, expectativa é de que vencimentos de outubro sejam quitados em dia

Gabriela Lara, correspondente, O Estado de S. Paulo

27 de outubro de 2015 | 19h54

Porto Alegre - O governo do Rio Grande do Sul planeja anunciar nesta quarta-feira, 28, o pagamento integral do salário de outubro dos servidores estaduais ligados ao Executivo. Após parcelar a folha de julho e de agosto, o governo honrou os vencimentos de setembro na data prevista, mas manteve em aberto o quadro para os meses seguintes, por causa do prolongamento da crise financeira do Estado.

Embora os técnicos da Secretária da Fazenda continuem fazendo contas, a tendência é de que os salários sejam pagos em dia. A consequência direta será sacrificar todos os outros compromissos, como repasses a prefeituras, escolas, hospitais e fornecedores. Só na área da saúde, a conta pendurada passa de R$ 200 milhões.

A parcela mensal da dívida com a União também será protelada novamente. O calote já virou rotina. Desde abril o governo gaúcho vem atrasando o serviço da dívida, que corresponde a 13% da receita corrente líquida do RS - costuma ficar entre R$ 250 e 270 milhões. Até pagar o que deve ao Tesouro Nacional no mês subsequente, o RS tem que conviver com o bloqueio de suas contas devido a uma determinação do contrato entre as partes firmado em 1998.

Em setembro, o governador José Ivo Sartori (PMDB) honrou a folha do funcionalismo graças à aprovação, pela Assembleia Legislativa, de um projeto que aumentou o limite de saque da conta de depósitos judiciais de 85% para 95%. A medida injetou cerca de R$ 1 bilhão de forma imediata no cofre estadual.

Só que a verba "extra", que também foi usada para pagar algumas pendências com municípios, já acabou. Por isso, para conseguir pagar os salários em dia desta vez, o governo gaúcho depende mais do que nunca dos recursos federais. A expectativa é receber, até o fim da semana, R$ 100 milhões do Fundo de Participação dos Estados (FPE) e R$ 20 milhões do Fundo de Apoio às Exportações. Isso, somado à arrecadação do ICMS e ao valor disponível na conta de depósitos judiciais, deve ser suficiente para pagar entre quinta-feira e sexta-feira as 347 mil matrículas vinculadas ao Executivo estadual. A folha gira em torno de R$ 950 milhões. "Vai dar contando os centavos", disse ao Broadcast uma fonte ligada ao Palácio Piratini.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.