Governo do DF quer que MST levante acampamento

Dois dias depois de montar o acampamento em frente ao Ginásio Nilson Nelson, em Brasília, os trabalhadores rurais sem terra estão ameaçados de despejo. Eles afirmam que o Governo do Distrito Federal pediu a retirada das barracas, alegando que os sem-terra poderiam destruir o local.De acordo com a coordenação nacional do movimento, o prazo para a saída das famílias é esta quarta-feira. ?Não sairemos do local e esperamos que o bom senso prevaleça?, rebateu Elf Fenske, integrante da Coordenação Nacional do Movimento.De acordo com Elf, todas as vezes que o MST vem para Brasília fica acampado no Grand Circular, localizado próximo à rodoviária do Plano Piloto, no início da Esplanada dos Ministérios.A intenção era repetir o procedimento, e a cessão do local chegou a ser feita, mas o secretário de Segurança do Distrito Federal, general Athos Costa, teria afirmado que não tinha condições de fornecer a segurança necessária para o grupo no local. ?Ofereceram, então, outros dois locais para nós, um no Núcleo Bandeirante e outro no final da Asa Norte, bem distante da Esplanada. Recusamos, pois não viemos para aqui para passear?, atestou Elf.A coordenador nacional do movimentou considerou a nova ameaça de despejo dos acampados uma falta de respeito do Governo do Distrito Federal ao MST. ?Nós não somos crianças para sermos colocados um dia em um lugar, outro dia em outro.?Elf afirmou ainda que o movimento nunca teve qualquer tipo de problema com o GDF e espera que não haja confrontos por conta da decisão dos sem-terra. A assessoria do governo do Distrito Federal confirmou que a reclamação foi feita pela Secretaria de Esportes e Lazer, alegando que o acampamento, localizado em frente ao Nilson Nelson, estaria prejudicando o estacionamento de carros no estádio Mané Garrincha, que fica ao lado do Ginásio.O Mané Garrincha sedia os jogos do Gama pelo Campeonato Brasileiro, além de confrontos entre outros clubes. Na quinta, por exemplo, está marcado o jogo entre Flamengo e Santos.Por isso, a Secretaria de Esportes teria intercedido junto à Secretaria de Segurança para transferir os acampados, pois estes pretendem ficar, no mínimo, 45 dias na cidade. A assessoria afirmou ainda que nesta quarta deve ser realizada uma nova reunião para discutir o impasse, mas que não existe previsão de qualquer ação de despejo envolvendo a polícia militar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.