Governo do DF diz que foi 'surpreendido' por uso das Forças Armadas

Após receber críticas com atuação da PM durante protestos, Rodrigo Rollemberg (PSB) afirma que Presidência da República tomou 'medida extrema' sem avisá-lo

Carla Araújo e Tânia Monteiro, O Estado de S.Paulo

24 de maio de 2017 | 20h50

BRASÍLIA - O governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg (PSB) divulgou nota nesta noite de quarta-feira, 24, dizendo que foi surpreendido pela decisão do presidente Michel Temer de convocar as Forças Armadas para conter a violência nos protestos realizados nesta quarta-feira na capital. A reação surgiu após o Palácio do Planalto afirmar que a Polícia Militar do Distrito Federal não conseguiu controlar os atos de violência verificados durante os protestos realizados na capital federal.

"Para surpresa do Governo de Brasília, a Presidência da República decidiu na tarde de hoje recorrer ao uso das Forças Armadas, medida extrema adotada sem conhecimento prévio e nem anuência do Governo de Brasília e sem respeitar os requisitos da Lei Complementar nº 97/99 (artigo 15, parágrafos 2º e 3º)", diz o texto.

Segundo o governador, os fatos de hoje em Brasília retratam a grave crise política vivida no País e criticou o que chamou de restrição à liberdade. "Não é a violência e nem a restrição de liberdade que a resolverão", afirmou. "A solução virá do estrito respeito à Constituição e às leis em vigor no país", completou.

Rollemberg disse ainda que a Polícia Militar do Distrito Federal, acusada de ter agido com violência pelos manifestantes, "agiu de acordo com o Protocolo Tático Integrado assinado pelos governos federal e distrital, no mês passado, em que a segurança dos prédios públicos federais ficou sob a responsabilidade da União".

"O Governo de Brasília lamenta os episódios ocorridos na manifestação de hoje quando alguns grupos agiram com violência, depredando o patrimônio público e privado", disse o governador. "É dever do Estado garantir o direito à manifestação, para que todos possam se expressar de forma respeitosa, sem colocar em risco a integridade das pessoas e do patrimônio público."

Leia a integra da nota:

"O Governo de Brasília lamenta os episódios ocorridos na manifestação de hoje quando alguns grupos agiram com violência, depredando o patrimônio público e privado.

É dever do Estado garantir o direito à manifestação, para que todos possam se expressar de forma respeitosa, sem colocar em risco a integridade das pessoas e do patrimônio público.

A Polícia Militar do Distrito Federal agiu de acordo com o Protocolo Tático Integrado assinado pelos governos federal e distrital, no mês passado, em que a segurança dos prédios públicos federais ficou sob a responsabilidade da União.

Em todas as 151 manifestações realizadas nos últimos dois anos, as forças de segurança federal e distrital agiram de maneira integrada e colaborativa. Em todas as ocasiões a Polícia Militar agiu com eficácia e eficiência, demonstrando estar plenamente apta ao regular desempenho de sua missão constitucional. Eventuais excessos serão rigorosamente apurados.

No entanto, para surpresa do Governo de Brasília, a Presidência da República decidiu na tarde de hoje recorrer ao uso das Forças Armadas, medida extrema adotada sem conhecimento prévio e nem anuência do Governo de Brasília e sem respeitar os requisitos da Lei Complementar nº 97/99 (artigo 15, parágrafos 2º e 3º).

Os fatos de hoje em Brasília retratam a grave crise política do país. Não é a violência e nem a restrição de liberdade que a resolverão.

A solução virá do estrito respeito à Constituição e às leis em vigor no país.

Rodrigo Rollemberg

Governador de Brasília"

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.