Governo diz que reforma não muda e servidores mantém protestos

O governo não pretende modificar a proposta de reforma da Previdência e vai trabalhar para preservar o texto tal como foi enviado ao Congresso. Foi o que relataram os ministros da Previdência, Ricardo Berzoini, da Casa Civil, José Dirceu, e do Planejamento, Guido Mantega, ao presidente da Central Única de Trabalhadores (CUT), Luiz Marinho. Uma comissão de 17 sindicalistas, representando os servidores, encontrou-se esta tarde com os três ministros."Do ponto de vista concreto, não há nenhuma posição do governo. Por isso, continuaremos com as manifestações?, disse Marinho. Milhares de funcionários públicos protestam desde a manhã de hoje na Esplanada dos Ministérios contra a proposta de reforma. O sindicalista José Domingues Godói, representante da Coordenação Nacional das Entidades de Servidores Federais (CNESF), informou que a Executiva Nacional da entidade se reunirá no próximo sábado para discutir a possibilidade de uma paralisação de 850 mil servidores públicos na segunda quinzena de julho. A sindicalista Fátima Feitosa, do Sindicato Nacional dos Servidores Públicos Federais (Sinasef) afirmou que o ministro Dirceu deixou claro para a comissão que qualquer mudança na proposta de reforma da Previdência só poderá ocorrer no âmbito do Congresso. Segundo Fátima, Dirceu avisou que o governo vai trabalhar para manter o texto original da proposta de reforma da Previdência e "fará seu papel de disputar no Parlamento."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.