Governo diz que liberação de recursos não visa eleições

O ministro da Casa Civil, José Dirceu, respondeu às críticas da oposição de que estaria direcionando a liberação dos recursos orçamentários para as eleições municipais. Ele disse que os recursos empenhados aumentaram 45%, em 2002, para 61%, em 2004; e os recursos liquidados seguiram a média histórica de 31% em 2002 para 34% em 2004. Ele iniciou, no Palácio do Planalto, na presença do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e dos ministros, a apresentação do conjunto das realizações do governo durante os primeiros 18 meses. Destacou os novos marcos legais, como a reforma tributária e previdenciária e a tramitação de diversos projetos que dariam segurança aos investidores como a Lei de Falências, o projeto das agências reguladoras e a proposta que estará sendo enviada ao Congresso do novo modelo de saneamento. O ministro afirmou que o governo está retomando os investimentos públicos, que aumentaram de R$ 4 bilhões para R$ 12 bilhões em 2004 e está também reorganizando o sistema financeiro público para estimular o aquecimento econômico. Segundo ele, R$ 4,9 milhões estão sendo oferecidos para o saneamento ambiental e distribuídos para 329 municípios. "Sem coloração partidária ou eleitoral." Dirceu lembrou ainda investimentos de R$ 6,7 bilhões em programas habitacionais e a expansão do setor elétrico a partir das novas regras estabelecidas pelo governo. "O setor tem hoje um marco seguro e previsível, o que é mostrado no aumento da potência instalada para 5.184 megawatts e de 5.116 quilômetros de linhas de transmissão", disse. Segundo o ministro, o País já está presenciando a retomada dos investimentos na indústria naval e o fortalecimento da atuação da Petrobras na nacionalização dos investimentos feitos pela empresa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.