Ed Ferreira/Estadão
Ed Ferreira/Estadão

Governo Dilma interfere em outros Poderes, diz Aécio

O candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, afirmou nesta segunda-feira que há uma "movimentação preocupante" do governo brasileiro para interferir em outros Poderes, e citou especificamente o caso do Tribunal de Contas da União (TCU), que em breve decidirá sobre o bloqueio de bens da presidente da Petrobras, Graça Foster, por ter participado da decisão da compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos, quando era diretora da estatal.

LUCIANA NUNES LEAL, Estadão Conteúdo

11 de agosto de 2014 | 20h37

"Quando se vê um movimento do advogado-geral da União, de ministros, para inibir outros Poderes, alguma coisa não vai bem no Brasil. Há uma movimentação preocupante do Estado, do governo brasileiro, no sentido de inibir a ação de outros Poderes, e isso tem que ser condenado. É uma tentativa do governo de impor sua vontade em outros órgãos e outros Poderes", criticou Aécio, ressaltando que não quer fazer "pré-julgamento" da presidente da Petrobras, por quem disse ter muito respeito.

O candidato chegou no início da noite desta segunda à TV Globo, no Jardim Botânico (zona sul do Rio), onde concederá entrevista ao vivo durante o "Jornal Nacional" e, em seguida, gravará participação no "Jornal das Dez", da Globonews. Aécio reiterou a crítica de que "o governo da presidente Dilma perdeu a capacidade de transformação, de inspirar confiança, especialmente em parceiros importantes que são os agentes privados".

Cabos eleitorais contratados pelo PSDB agitam bandeiras em frente à emissora. Eles não quiseram revelar quanto receberam pelo trabalho. Nas atividades de rua da campanha tucana no Rio, os cabos eleitorais pagos têm recebido entre R$ 30 e R$ 50 por dia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.