Governo deve privatizar 2,6 mil km de rodovias

A privatização de 2,6 mil quilômetros de rodovias federais deve sair por volta de julho de 2002. Foi o que disse hoje o ministro dos Transportes, Eliseu Padilha, que espera retomar a fase de pré-qualificação das empresas interessadas e conhecer as propostas até outubro. Segundo ele, se não houver mais interrupções, as empresas poderão assumir as estradas no fim do primeiro semestre do ano que vem. "Mas a cobrança de pedágio começa somente em 2003", afirmou Padilha, no Palácio dos Bandeirantes, em São Paulo, durante assinatura do protocolo de intenções para a regionalização do Porto de Santos.Ontem, o Tribunal de Contas da União (TCU) aprovou o processo de privatização das rodovias, paralisado para análise de irregularidades. A licitação será feita em sete lotes, situados nos Estados de São Paulo, Paraná, Santa Catarina, Rio de Janeiro e Minas Gerais. A pré-qualificação ocorreu em fevereiro e 28 licitantes entregaram os documentos, entre consórcios e empresas que disputam sozinhas. Em seguida, o processo parou para análise do TCU. Esta fase será retomada agora e vai durar cerca de 45 dias, seguida da entrega de propostas de preços, quando será definida a concessionária de cada lote.Os lotes a serem privatizados incluem a Fernão Dias (BR-381), no trecho de 563,2 quilômetros entre Belo Horizonte e São Paulo. Segundo o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, as obras de construção da segunda pista nesta rodovia, nos 90 quilômetros do trecho paulista, serão entregues antes do Natal. Os trabalhos recomeçaram em julho nos 20 quilômetros que faltam. A duplicação da Fernão Dias teve início em 1996, com várias interrupções. As obras consumiram R$ 300 milhões, com recursos do Estado, da União e do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).Os demais lotes são os seguintes: BR-153, no trecho de 347,5 quilômetros que vai da divisa de Minas Gerais com São Paulo até a divisa de São Paulo com o Paraná; BR-116, no trecho de 408,5 quilômetros de Curitiba até a divisa entre os Estados de Santa Catarina e do Rio Grande do Sul; BR-393, num trecho de 193,6 quilômetros que vai da divisa de Minas Gerais com o Rio de Janeiro até a via Dutra (BR-116), no Estado do Rio de Janeiro; BR-101, trecho de 120,1 quilômetros, da divisa do Rio de Janeiro com o Espírito Santo até a ponte Rio-Niterói. E também a chamada Rodovia do Mercosul, formada pelas vias BR-116, no trecho de 401,7 quilômetros entre São Paulo e Curitiba, e pelo trecho da BR-376 e BR-101, com 375,6 quilômetros, ligando Curitiba a Florianópolis.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.