Governo deve esquecer episódio e ir em frente, diz João Paulo

O presidente da Câmara dos Deputados, João Paulo Cunha, disse hoje que o governo deve aceitar e cumprir a decisão judicial que concedeu salvo-conduto ao jornalista Larry Rohter, do New York Times, e esquecer o episódio. "A Justiça já definiu, mesmo em caráter provisório, e temos de cumprir, esquecer esse episódio e tocar para a frente", afirmou, ao chegar para Conferência Nacional de Estratégia Eleitoral que o PT realiza hoje e amanhã em São Paulo.João Paulo Cunha disse que não importava quem havia saído vitorioso ou derrotado no episódio, mas sugeriu que o jornalista deveria se retratar perante a opinião pública. "O jornalista tem direito de emitir sua opinião, mas não pode atacar as pessoas como fez, atingindo a honra e a vida pessoal do presidente", considerou. "O que importa é que já encerrou, e o que está decidido, está decidido." Mérito ainda não foi julgado, diz MercadanteO líder do governo no Senado, Aloízio Mercadante (PT-SP), afirmou disse hoje ? também ao chegar para a abertura da Conferência Nacional de Estratégia Eleitoral promovida pelo PT na capital paulista - que a União vai acatar e reconhecer qualquer que seja a decisão da Justiça em relação ao episódio que envolve o jornalista norte-americano Larrry Rother, do New York Times. "Vamos aguardar a decisão final da Justiça. Mas é bom deixar claro que todas as decisões deste governo serão feitas no marco da Constituição, na estrutura legal vigente e sempre acatando e reconhecendo toda e qualquer decisão de última instância da Justiça nacional", afirmou ele, Mercadante ressaltou que na sociedade brasileira todos os cidadãos têm poder de recorrer aos seus direitos. "Tivemos até agora o julgamento do habeas-corpus, mas o mérito ainda não foi julgado", afirmou o senador, ao ser questionado sobre se o governo admitia ter sofrido uma derrota no caso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.