Governo destina mais recursos para saúde básica

Os recursos da saúde receberão reforços do Ministério da Saúde. Os aumentos vão atingir o Piso de Atenção Básica (PAB) e o Programa de Saúde da Família (PSF). O objetivo é investir em assistência básica, que inclui prevenção de doenças e complicações. Com isso, espera-se diminuir as filas nos prontos-socorros dos hospitais.Por meio do PAB, o governo federal transfere às prefeituras R$ 10,50 por habitante a cada ano. O valor aumentará R$ 1,50, passando para R$ 12 por habitante por ano. Quanto ao PSF, o ministério estuda ampliação de 20% na verba destinada ao programa.Segundo o secretário-executivo do Ministério da Saúde, Gastão Wagner, 80% da população que procura atendimento médico pode ser atendida em postos de saúde. "Esse é o caminho da saúde brasileira."É como funcionam os sistemas de saúde inglês e canadense: doenças simples são resolvidas em postos de saúde e, portanto, não vão parar em prontos-socorros. "Queremos dar aos municípios um reforço de caixa para que invistam em atenção básica", disse Wagner. "Mas sem deixar de lado os investimentos no atendimento de alta complexidade."É pensando na assistência de média e alta complexidade que o ministério pretende revisar os valores pagos pelo SUS para procedimentos de urgência - realizados em prontos-socorros.Wagner se reuniu nesta segunda-feira em São Paulo com o secretário de Estado da Saúde, Luiz Roberto Barradas Barata, e o secretário municipal da Saúde, Gonçalo Vecina Neto. Vários assuntos da área foram discutidos, mas o principal deles foi o financiamento do SUS.Veja o índice de notícias sobre o Governo Lula-Os primeiros 100 dias e os ministérios

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.